Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Unidade do Espírito Santo

P: O que quer dizer “A Unidade do Espirito Santo”?

R: Existem muitos ângulos para uma pessoa se aproximar desta realidade. Vamos utilizar dois.

Espírito é rigorosamente equivalente a êxtase, que, do ponto de vista do homem cultural/social, pode ser traduzido por liberdade.

Nós temos 7 “palácios” (chacras) na nossa coluna vertebral e acima dela. Os chacras são meios de transporte das energias de raio (as faces do divino) e cada centro em nós tem uma verdade própria, tem algo a revelar. Cada centro vibratório tem o seu rei e a sua ciência.

O 1º Raio (Vontade/Poder) introduz no nosso sistema psíquico a persistência. Ele atravessa toda a psique, de alto a baixo, mantendo um eixo indestrutível no centro da nossa vida psíquica. Este 1º Raio é estrutural, todos os seres humanos o têm, pode-se-lhe chamar “a ciência dos Anciões dos Dias” ou “a vida dos Anciões dos Dias em nós”.

Os Anciões dos Dias são vastas mentes logóicas que interpretam, em níveis muito altos, o Trono, o poder criador absoluto. Então, estes Anciões dos Dias estão em nós – 1º Raio.

Como estas vastas plataformas de poder não podem ser transmitidas directamente à psique humana, isso vai sendo reflectido, deflectido e inflectido ao longo do sistema de espelhos do Universo até chegar a nós como o “Arquétipo do Ancião” e como o Universo expande e contrai, nós chamamos ao movimento universal “DIA”.

Estes Anciões são mentes divinas procriadoras respirando o próprio Universo. Os Dias são sístoles e diástoles no Universo – ciclos cósmicos maiores.

Os Anciões dos Dias estão em nós. Nós somos o Universo.

Ao 1º Raio e ao 1º centro vamos-lhes chamar “a ciência dos Anciões dos Dias” assim como ao Ajna lhe chamaremos “a ciência dos Filhos Criadores” e à da Laringe “a ciência Angélica”.

A zona do 3º centro está relacionada com a ciência do conhecimento assim como o 2º centro está associado à ciência divina e o 1º à ciência elemental.

1º Centro – Relação com Anciões dos Dias – vontades Pai.

2º Centro – “ “ os Cristos – visão cósmica superior.

3º Centro – “ “ ciência dos Anjos – trompetes – é o nível laríngeo do Universo onde o verbo se transforma em modulações cromáticas/sonoras que transformam o éter e recondicionam-no segundo padrões de geometria sagrada mais avançados.

O coração é a zona da psicologia cósmica e ao mesmo tempo “a ciência Melkizedeque” e a ciência do Homem – O CORAÇÃO É O TRONO DO HOMEM – (no plano cósmico).

O plexo solar está directamente relacionado com “a ciência cósmica”, com os cientistas, com os sacerdotes, com aqueles que têm poder político, teocrático de governo divino para criar civilizações alinhadas com os Anciões dos Dias.

O 2º centro está relacionado com a sinfonia dévica em geral – lida com a propulsão que acontece quando combinamos fogo cósmico com prana planetário – Vitória sobre a inércia.

O 1º centro está ligado aos elementais, isto é, às micro consciências que têm poder magnético e coesão para atrair os conteúdos vivos de matéria atómica e das grandes correntes que são entidades que transportam matéria atómica viva – Terra, Ar, Água, Fogo. O esquema do 1º centro na tradição oriental é um quadrado, um ponto ao centro (que é o Éter) e quatro pétalas. Cada pétala tem a ver com uma vasta entidade electrónica viva, uma espécie de super condutor que garante a condutividade de um tipo de vibração materializante. Estas 4 condutividades – Terra, Ar, Água e Fogo – são elementos da natureza que serão conquistados (amados) através do 1º centro.

Do primeiro centro para baixo existem 5 centros secretos que são como uma antena que penetra directamente no planeta até ao coração de cristal – o super computador etérico que está em ressonância com o bio computador de Gaya. O potencial de resposta da Terra, como Gaya, ao impulso dos Anciões dos Dias é garantido por um vasto computador etérico (no centro da Terra) ajustado ao próprio magma primordial e esse computador etérico é outra vez uma estrela.

O nome da Terra enquanto estrela é mantido guardado por Shamballa e Miz Tli Tlan.

Existe uma região no computador etérico da Terra – o centro – que está destinada a suportar – no plano etérico profundo – os códigos que vêm da Árvore da Vida para a Amazónia. Existe outra região para as florestas tropicais da Indonésia, outra para as regiões desertas da Austrália,....

Esse computador está constantemente ajustando a resposta de Gaya, a partir de dentro, às correntes das grandes cinturas nevrálgicas da força divina que se espalha pelo espaço nutrindo os planetas.

Chama-se Centro da Coroa porque é a região dos Anciões dos Dias. Orion está aqui e agora, está no nosso centro coronário. É como se tivéssemos 24 micro centros que formam as jóias da coroa e cada um deles contém um nome de Deus, e cada um desses nomes está submetido ao nome central que é guardado na pineal. Este código que está dentro de nós é assistido por 24 códigos complementares, e cada um dos 24 portais menores de Portugal está associado a 1dos 24 Anciões dos Dias.

Os países programados pela Hierarquia como: Israel, Chile, Peru, Austrália, deserto norte americano, Portugal, Rússia, Brasil, Porto Rico, Costa Rica, Honduras,... são mantidos dentro de um campo especial e é provável que cada um desses países tenha estes campos de ressonância com o próprio nível dos Anciões dos Dias.

A Vontade/Poder é a força que foi colocada em nós para persistir no processo de Ascensão, quer o indivíduo exterior queira quer não queira.

No centro da coroa estão os ressonadores que estão fazendo ponte com Orion. Isto não é consciente porque o nosso cérebro ainda está encarnado.

Imagem e Semelhança” é o estabelecimento de poderosos campos de ressonância pantográfico entre o corpo físico etérico, os órgãos, a mente e o plano astral em nós e o Universo infinito.

Quando conseguimos justapor as duas coisas há uma explosão no “anel não passa” em torno de nós. O não êxtase é controlado por uma membrana que, parte dela, foram os deuses originais que a criaram como uma pele cósmica e parte tem a ver com o 7º plano da aura.

Aquilo a que chamamos “coroa” é a vibração oriónica, metatrónica em ti. Depois existem esses 5 centros que vão até aos centros de vida e poder da Árvore da Vida, mas o ponto de ancoragem dos Anciões dos Dias é no centro da coroa.

O centro na testa está em ressonância com a força criadora (Filho).

Se o 1º centro é regido pelo 1º Raio (Vontade/Poder) onde a indestrutibilidade de um ser como espírito, como alma e como base genética e o alinhamento com a Árvore da Vida é mantido, autoridade cósmica é a capacidade de, ao longo dos anos, o indivíduo manter-se alinhado com o Real quer a personalidade queira quer não queira. A Vontade/Poder em ti é independente de ti. No final o divino nem pede autorização, pode até levar 10 mil anos, porque nós, com o nosso livre arbítrio conseguimos afastar a acção/tracção de guindagem da Vontade/Poder não sei para que subplano abstracto, mas ela está lá, então, é uma questão de tempo!

Esta força é o próprio compromisso do finito para com o infinito. É a força vinculativa indestrutivel que nos mantém ligados ou semi ligados com a Árvore da Vida.

A Árvore da Vida chega a nós através de 3 grandes centros:

1º A ciência dos Anciões dos Dias e a sua presença pulsante em nós.

2º A ciência da consciência crística que vive em telescópio na nossa testa sempre nos levando a viver o real – Amor/Sabedoria. Esta energia que está no Ajna é um fogo que queima os éteres.

A única possibilidade de ver o caminho está no Ajna e o que vê é o Cristo.

O Amor/Sabedoria é a percepção do que é melhor para cada ser em cada momento, e isto não se faz só com o coração, é necessário o Ajna como um centro ígneo que rompe os níveis “cegos” do éter e vai até à luz e vê o que uma sociedade, uma escola, uma família precisam. Este é o centro de consciência crística regido pelo 2º Raio.

Este centro (a ciência dos Anjos ou a ciência das Mães) está relacionado com as hostes angélicas e estas hostes estão em nós!

A Mãe está em nós sob a forma de uma projecção vibratória luminosa – o centro da laringe é todo expansivo, todo virado para fora. Os anjos servem-te na proporção em que o teu som, a tua vibração estiver afim com a Mãe.


O coração é o ponto onde se equilibram o céu e a Terra. É o centro da psicologia cósmica, dos Melkizedeques. Os psicólogos do Universo têm o trabalho de transplantar o 4º Raio – Harmonia entre dois pólos que primeiro são opostos, depois se tornam dialogantes e, finalmente, se tornam complementares.

A função trifásica no foco do coração tem a ver com a repetição da trindade, agora, a meio. Enquanto que a trindade estava representada em 3 centros diferentes em cima (Coroa, Ajna e Laringe) e 3 centros diferentes em baixo, no coração ela está plena a meio. Significa que, como não há uma defracção, essa unidade de fogo produz a alquimia entre o céu e a Terra e a fusão dos opostos que é todo o problema do casamento em nós entre o céu e a Terra.

Uma vez o Coração vibrando, não há nada no mundo dos homens que não tenha correspondência com o mundo dos deuses.

Esta chave: “o que está em cima é como o que está em baixo” é uma chave da capacidade do nosso coração fazer as piores coisas da melhor maneira possível e as melhores coisas da pior maneira possível. Porque enquanto a pessoa faz as coisas da Terra de uma maneira terrestre e as coisas do céu de uma maneira celeste com o movimento erótico/dinâmico, elástico/terrestre e enquanto fazemos as coisas terrestres com o movimento norteador, magnético, expansivo, criador e amoroso das coisas celestes, então já não há céu e Terra, as correntes começam-se a misturar.

O Espírito Santo é a Mãe trabalhando o casamento da Terra com o céu.

Este centro regido pelo 4º Raio (Harmonia através de 2 pólos complementares) é, ao mesmo tempo, a escola de Melkizedeque e a escola do homem. Todos nós como seres humanos só evoluímos porque o Universo ciclicamente cria uma crise em nós e nos mostra que nós não nos conseguimos harmonizar. Quem cria a crise é a própria estrutura do Universo que entra em crise em ti, e ela é a única forma de o coração abrir porque nós temos que descobrir uma forma mais humana de fazer coisas superiores e uma forma mais divina de fazer as coisas da Terra e só assim as coisas se vão dissolvendo.

O Plexo Solar é regido pelo 5º Raio e é o centro que, quando está a vibrar, não para a sobrevivência do indivíduo mas para o maior bem de toda a espécie a que tu pertences, torna-se um centro criador de civilizações. Todas as civilizações avançadas deste planeta que existiram no passado, foram criadas por iniciados cujo plexo solar estava activado no plano cósmico.

É um centro que vê a verdade das coisas e revela a precisão da relação entre elas. É um centro de poder no sentido da matéria, ligação de uma ideia manifesta, culturas novas, mas quando ele está submetido ao nível da sobrevivência, ele manifesta a velha sociedade.

O 2º centro ligado ao 6º Raio é o centro da vida dévica. É neste centro, uma vez transmutado, que nós lidamos com os devas, as inteligências dentro da Terra que correspondem aos anjos, é com este centro transmutado que uma pessoa transforma um deserto num jardim; que se atrai grandes quantidades de alimento para distribuir; que se gera uma justiça na circulação das forças neste planeta; que é criada uma devoção consciente para com aqueles que sofrem.

É neste segundo centro que é feita a conexão erótica, no sentido profundo do termo, com as hostes dévicas. Os devas não se dão bem com pessoas mentais, fechadas, secas, sem paixão. Eles precisão de ritmo, pulsação, alegria, paixão, libido, vida no sentido de prana em movimento sincronizado com os níveis cósmicos. Um deva é um “fusível” entre o mundo angélico e o mundo dos elementais.

Enquanto nós estamos lidando com os éteres superiores: arte, filosofia, educação de crianças, compreensão, assimilação, tudo o que seja fecundação do ser e da psique com correntes criativas vindas de cima, é angélico/arcangélico, agora, quando isso tem que ser transplantado para o mundo concreto em que tu tens de passar da vibração angélica da laringe para a vibração sexual do 2º centro, sem esta energia nós não realizamos nada aqui em baixo. É uma coordenação entre o chacra da laringe e este 2º centro, esta vibração clarificada, limpa mas desbloqueada que permite estes seres incrivelmente intensos, velozes, dinâmicos, vibrantes, coloridos, de se aproximar de nós.

Muitas pessoas têm contacto com o mundo angélico mas não têm com o mundo dévico por estarem demasiado deprimidas, secas e amargas.

As árvores de grandes dimensões sempre têm um deva. As secóias dos parques nacionais americanos são devas tremendos! A quantidade de energia prânica que é retirada do solo, a seiva está carregada de vida terrestre e cósmica. A forma majestosa com que os galhos se expandem no ar, o facto de certas árvores estarem repletas de pássaros a horas específicas do dia (aurora e crepúsculo), claro que eles estão a receber as correntes vivas dos devas!!

Um deva é a “Paixão de Deus”.

O 1º centro, regido pelo 7º Raio, se estiver bem coordenado com o centro da laringe atrai energia monetária uma vez que o dinheiro é prana. É o centro que permite a chegada da vida.

O nível cósmico deste 1º centro é que cada um dos 4 pontos abre para os 4 grandes reservatórios de força da Terra. É o poder dos elementos – prana, a força vital terrestre – Gaya, associada aos elementos, pode entrar no teu sistema energético e multiplicar....

O que é exactamente “a Unidade do Espírito Santo”? O que está em cima é igual ao que está em baixo. Nós não temos limites ao nosso crescimento. Cada fase do teu ser corresponde a uma fase do Universo.

Cada Raio que rege cada centro energético é Deus em ti. Cada um dos centros contém o poder de transmitir uma energia de Raio vinda dos mundos internos para o éter...

Então, nós temos a conexão com os 24 Anciãos dos Dias, a operação Pai (Vontade/Poder) persistência, constância e insondabilidade para não dizer coragem cósmica perante o desafio da vida.

O chacra de coroa, a Vontade/Poder, a região Pai é a região do teu ser que, perante qualquer coisa, nem pestaneja! Por mais vibração que desça sobre ti, por mais energia que desça sobre ti, a Vontade/Poder não se impressiona – é o teu centro de autoridade. O Raio da Vontade/Poder dá qualquer experiência como parte da libertação e vê qualquer experiência um ponto equidistante.

A realidade interna da Vontade/Poder é uma vibração que, sem que tu consigas explicar, permanece séria, estável, clara, poderosa, firme perante as coisas e se a nossa civilização tiver de ser desmontada, nós vamos precisar de ter muita consciência e muita ligação com o nosso 1º Raio porque é o Raio que nos mantém olhando em frente e é o Raio que persiste no que é. É a parte de ti que está de pé quer tu caias ou não.

Na Unidade do Espírito Santo quando a obra do Pai acontece, quando a operação do fogo interno acontece, anjos em ti, devas em ti, elementais em ti, os Anciãos dos Dias em ti, os Melkizedeque em ti, o Cristo em ti e as Mães em ti e tu isto tudo, então nós pudemos chegar a Aton e ao livro da criação de Aknaton e só tu existes.

OM, a Unidade do Espírito Santo e a comunhão entre todos os reinos para a manifestação da glória do Pai no nível terrestre é que é a Jerusalém celeste.

Quanto mais próximo da Unidade do Espírito Santo mais humilde um indivíduo é e mais majestoso ele é. Mas esta é uma majestade natural como as scóias.

A Unidade do Espírito Santo é o facto de que todos os reinos estão unidos pela mesma vibração e cada um dos nossos centros energéticos encarna e é uno com um reino.

Se um ser é uno com os reinos e com o Universo os seus centros vibram os reinos: a coroa vibra o mundo dos Anciãos dos Dias; o ajna vibra o mundo dos Cristos; a laringe vibra o mundo das Ísis, dos mundos angélicos e das sacerdotisas--mãe; o coração vibra o mundo Melkizedeque; o plexo solar vibra o mundo do poder e da fundação do novo; o 2º centro vibra a ciência dévica e o 1º centro vibra as capacidades atribuídas ao mundo elemental.

A transmutação dos centros é o que acontece na FÉ (a energia sagrada que vem do fundo de ti). É necessário que estas forças de Raio que estão por detrás dos chacras transmutem o peso que está à frente e venham à superfície. Um indivíduo tem que dar à luz os seus próprios raios.

Quando tu dás um salto no vazio, que pode ser um divórcio, um casamento, uma mudança de cidade, todas as velhas energias têm a oportunidade de ser destruídas pelo 1º Raio e as energias vivas penetram em ti. Quando o Universo decidir criar um abismo para saltarmos, tu respiras, vais fundo, amas, ajustas-te, vais-te clarificando até ao momento em que o Universo diz claramente: “AGORA”. Nesse momento, meu irmão, salta, não olhes para trás. Deus suporta o teu salto.

Então, quando tu fazes o movimento para a frente, a velha energia é abalada e, nesse momento, as energias de raio que estão por detrás, que são os fogos nos chacras, transmutam todo o velho e instalam-se à superfície – “o Arquétipo do Renascimento” (em psicologia indiana).

Nessa crise entre o velho e o novo desce o novo arquétipo que significa uma energia viva que veio da Fonte até mim.

Um arquétipo é uma reflexão na nossa psique de uma energia sagrada. Neste caso é o Arquétipo do Renascimento.

Quando tu saltas desencarnas o ser social velho e encarnas uma corrente dos Anciãos dos Dias.

É no salto que se transmutam os centros, atravessando pontes e queimando as pontes a seguir. No momento em que tu dás o salto as energias de raio abrem-se em ti. Então, tu estás mais no vazio do que nunca e mais energizado do que nunca, e então os Anciãos dos Dias vêm ao teu encontro segurando a tua cabeça no salto. O poder angélico está contigo miscigenado nos teus campos etéricos vibrando.

O teu coração é um verdadeiro centro de psicologia e compaixão – 4º Raio cósmico.

O 5º Raio, da ciência, da verdade, da precisão e da lucidez, associado ao 7º estrutura o plexo solar.

O 2º centro está vibrando, tu vês o amarelo do amarelo, vês o verde do verde, o vermelho do vermelho, o azul do azul, sentes os cheiros, a vitalidade da floresta, o poder emocional benigno em tudo.

A Unidade do Espírito Santo é o facto de que nós e o Universo somos a mesma coisa. Quando tu saltas foi o Universo que saltou. Então, quando Jesus, antes da Ascensão, disse: “Vou-vos enviar o Espírito Santo que estará convosco até ao meu regresso” estava a referir-se à abertura do campo monádico. O Espírito Santo, nesse sentido, é o presidente do plano físico cósmico.

Ele estava-se a referir a uma emantação de Orion que iria expandir a energia da mónada entre os seres humanos. Ele disse: “Vou enviar-vos o Espírito Santo, ele estará sobre vós, ele vos consolará, ele vos ensinará a unidade de todas as coisas”.

Se vocês sentirem o vosso campo merkaba expandir-se começam a perceber como a membrana Homem/Universo se dissolve. Nesse processo de dissolução da membrana (que é feita pelo Espírito Santo), não há felicidade mais intensa que saber da indestrutibilidade do nosso ser. Tu passas a ser o Homem Cósmico. Não há mais necessidade de: baixar ou subir a vibração; vida social, isolamento,... finalmente, tu danças.

Para que eu possa alcançar a Unidade do Espírito Santo eu preciso de despir as velhas vestes, ficar nu e receber a túnica nupcial das energias crísticas e unir-me profundamente a todos os campos: os Anciãos dos Dias; os Cristos; os mentores cósmicos; os anjos; as sacerdotisas; os Melkizedeques; os cientistas sacerdotes; os devas; os elementais. Tudo isto é uno contigo e tu és uno com isto.

No fundo da nossa psique existe um Sol, esse Sol é a Unidade do Espírito Santo.

Este Sol vê com a autoridade do Pai as coisas criadas. Se o nível de identificação com isto for muito alto, então tu podes “caminhar sobre as águas”, porque o Homem Cósmico, em Consciência, caminha sobre as águas da Criação.

A Unidade do Espírito Santo é a revelação que nós e o Cosmos somos UM.

Por André Louro de Almeida                          11/03/2005

Transcrição de Alice Jorge

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites