Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

A busca espiritual


Muitos perguntam como começar a busca espiritual, mas na verdade essa procura não tem um começo definido: a certa altura da vida tomamos consciência de que ela existia. Esse despertar para a busca está inserido na evolução do ser, que é contínua.

No princípio pensa-se que a vi­da é uma coisa e a busca espiritual outra. Mas não é assim: tudo o que acontece em nossa vida nos leva gradualmente à união com a totalidade.

As orientações que encontramos nos livros sobre a busca espiritual estimulam nosso caminhar. Mui­tas delas elevam-nos a mentalidade, despertam-nos a aspiração e ajudam-nos a agir de forma coerente com o que vai em nosso íntimo. Entretanto, como cada um de nós é uma criatura singular, a busca é feita de maneira individual e única.

Ela se constitui de todos os fatos da vida, das energias que a pessoa manifesta, das circunstâncias em que se acha. O que ocorre é, portanto, diferente do que ocorreu com os autores dos livros sobre o assunto: é sempre algo imprevisível e inédito.

As informações servem como referência ou como esclarecimento, mas não de­veríamos esperar passar pelas etapas da busca espiritual da mesma forma como foram descritas. Consideremo-nos uma obra de Deus, original, e vivamos nossa apren­dizagem sentindo-nos muito espe­ciais para Ele, amando-o imensamente por nos ter criado.

Nossa atitude básica deve ser a de não criarmos obstáculos, a de nos manter como observadores lúcidos e dispostos a captar os mais discretos sinais. A partir daí, recolhemos os ensinamentos que todas as coisas nos transmitem e valemo-nos deles com adaptabilidade, inteligência e, principalmente, amor e gratidão.

Quando a fé está presente, continuamos a usar o livre-arbítrio, mas para optar por seguir a vontade superior e não a vontade pessoal. Posteriormente, mais amadurecidos nesse caminho, podemos escolher entregar o próprio livre-arbítrio ao eu interior.

E mesmo quando temos de exercer o discernimento, podemos fazê-lo sem jamais esquecer que somos guiados e que tudo acabará como o eu interior realmente prevê. Nossas escolhas se tornam, portanto, uma procura de fazê-las coincidir com a vontade maior, do profundo do ser. A entrega ao eu superior não quer dizer ausência de razão.

A razão continua existindo, e não temos de aboli-la. O exercício é usá-la sempre que necessário, da melhor forma, porém a serviço de algo maior. É ofertá-la continuamente à sabedoria que está além, para que as energias superiores a alimentem e transfigurem.

Ao ficarmos inteiramente receptivos às energias superiores, usamos os atributos que temos sem nenhuma culpa ou reserva, sabendo que jamais estamos sós. As energias que agem por nosso intermédio acabam por nos ampliar a consciência, e vemos então que não existe uma vida e nós, separados dela.

Nossa própria vida fica à disposição da grande Vida que a inclui, e nada mais resta de fora.

Por Trigueirinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites