Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

sábado, 24 de setembro de 2011

Coração de Cristal da Terra, Seres Espelho e Naves-Mãe

Num planeta em que os circuitos de ligação à origem estão activados – o que não é o caso deste planeta – toda a atmosfera, todo o éter está saturado da energia da presença do Pai. Um planeta que tem os seus circuitos activados, a pressão da presença e da origem, é um facto telepático absoluto, de tal forma absoluto que em planetas ligados à origem o conceito de Deus praticamente não existe. A mente num planeta de 4ª dimensão está de tal forma saturada telepaticamente com a frequência, com a ressonância da origem, do Divino, da 1ª causa, que só o impacto dessa pressão o próprio conceito de Deus não chega a manifestar-se, não precisa e contudo, a estrutura de uma civilização de 4ª dimensão, é uma estrutura totalmente hierárquica, submetida ao princípio divino, à origem.

Um aspecto do trabalho que está a ser feito hoje, à escala planetária, implica a activação de circuitos, de neurónios planetários que fazem descer, gradualmente, a Presença. Essa descida é meticulosa, exacta e corresponde a um grau de combustão do éter planetário.

Existem planetas radiantes e não radiantes. Um planeta radiante é aquele em que o éter ondula, o campo telepático registra, a mente da humanidade local processa o Divino. Esses planetas adquirem luz própria. A iluminação de uma humanidade e a sincronização de biliões de consciências despertas para o Divino, projeta uma onda de choque sobre o éter atmosférico que conduz literalmente à auto iluminação desse éter. Ou seja, as atmosferas dos planetas superiores têm luz própria, dá-se uma ionização de toda a atmosfera através do poder de iluminação da humanidade residente.

Isto é um pequeno detalhe para compreendermos o que significa a descida gradual do princípio estrela dentro dum vaso planetário. Não que um planeta esteja destinado a transformar-se numa estrela, mas a reproduzir certas leis e precisões ocultas que existem na formação das estrelas.

A Terra contém no seu coração, um imenso cristal que corresponde a uma organização de moléculas que repetem na oitava material, exactamente, a vibração solar. Esse cristal é um diapasão adormecido do Verbo Solar.

A perfeição e a mestria implicam um triângulo equilátero entre as três forças principais da realidade, tal como a conhecemos – a Mãe, o Filho, o Pai.

Um processo mágico é um processo no qual a nossa consciência decide doses de Mãe, de Pai e de Filho, criamos uma forma-pensamento poderosa e luminosa que corresponde a um pedido para que, por exemplo, um ente querido não desencarne, e se tu fores mesmo um mago branco, ele não desencarna. Tu conseguiste introduzir naquela ampola uma dose de energia Mãe superior, e Ela, na sua infinita misericórdia, dá-se a essa manipulação. O tempo dos magos terminou.

Tudo o que está hoje disponível nas montras dos actuais supermercados espirituais são manipulações na horizontal, de prana e de vitalidade. Tudo o que não começa por uma chamada do coração ao alto, por uma chamada da consciência do vértice da pirâmide, pelo restabelecimento da ordem hierárquica, actualmente, está condenado a ficar retido na manipulação de princípios vitais.

Todas as terapias alternativas, tudo aquilo que pode ser padronizado, estandardizado, transmitido de uma forma maciça, geralmente, são apenas manipulações de prana na horizontal.

De uma maneira geral, quando os seres falam de energia, quando se concentram para passar energia uns aos outros, e quando entram nesta vasta escola de tomada de consciência da existência da energia, estão lidando com prana ou com forças que podem estar acima do prana, acima das correntes vitais e que auxiliam na harmonização.

O trabalho espiritual está acima disso. Uma atitude espiritual no plano da consciência, implica deixar-se consumir por uma chama descendente. Tudo o que esteja abaixo desta qualidade oculta, não pode ser designado como espiritual, existe como uma operação do plano causal e do plano intuitivo. A vibração espiritual está acima do plano causal.

O coração de cristal da Terra, o fim dos magos, o princípio da activação dos espelhos, quando a loja negra termina, o que ela pode fazer através do materialismo, do positivismo filosófico e das escolas pragmáticas, o que pode destruir através dessas correntes passa ao plano B e o plano B da loja negra é o psiquismo, ou seja, a humanidade só é utilizável pela loja negra de duas formas: ou está cega para os planos subtis e fica submetida a peritos em psicotrónica e tecnotrónica, peritos em instrumentalização do funcionamento cerebral, e todos os mass média, todas as empresas de publicidade têm dois ou três , até que esgota esse território e precisa chegar ao plano B que é: conseguir que sectores da humanidade fiquem submetidos, não apenas a esses métodos tecnotrónicos, mas que comecem a responder à influência de magos negros. Para que isso aconteça, a loja negra precisa que a humanidade desperte, saia do materialismo.

Até agora temos visto a saída do materialismo, de uma maneira geral, como o abandonar, finalmente, a posição de uma visão negativa ou fixa na realidade – Plano A. O Plano B é que os seres humanos só podem ser impressionados, realmente, pela vibração negativa dos magos negros através de um psiquismo específico.

Quando se vê um imenso varrimento de ocultismo finalmente oficializado, uma explosão e uma universalização de certos conceitos do subtil, do paranormal, do supra físico, isso tanto significa a acção da pirâmide luminosa dos mestres, como a acção dos magos negros que precisam que a humanidade comece a perceber coisas para além do físico.

O que está a ser preparado por esses seres é um retorno maciço da magia, donde que, neste momento, os Irmãos estão preparando todos os discípulos lúcidos para rapidamente deixarem de fazer contacto em que eu acho que faço, de forma que a tua consciência possa ser resgatada para cima do plano causal, que é onde se vai dar a próxima fricção e tu possas ficar estável no plano espiritual.

A chama pode brilhar porque através duma entrega inteligente, gradual, sistemática, liberta-se na natureza humana a qualidade oculta de poder ancorar a chama. O nível espiritual começa com a oração, com uma atitude amante para com Deus, é o nível em que se dá finalmente a comutação entre a lógica das duas margens e a de “eu pertenço-te”. Enquanto existem as duas margens, existe a possibilidade de eu pedir seja o que for ao Divino e com isso tu estás a achar que o Divino não sabe o que é o ideal para ti, tu estás a dizer ao Pai qual é o caminho através do qual Ele deve chegar até ti. Enquanto a nossa relação com o alto contiver a mínima partícula de uma ideia individualizada do que nós achamos que é a coisa, nós estamos retidos no óptimo e é onde toda esta massa de forças que está fazendo um rastriamento e recrutando pessoas para processos que, no fundo são mágicos, não são espirituais. O ótimo é uma prisão, é esta atitude de eu ter uma relação com Deus mas ainda colorir essa relação com o meu processo pessoal, portanto não serve.

O nosso problema é compreender a transição do ótimo para o sublime. Se nós concordar-mos que apenas o sublime permanece, imagina o lixo que é necessário deitar fora! Agora, o sublime é como uma semente plantada por detrás de uma grande pedra, é secreta, silenciosa e não se vê. Ele situa-se no centro oculto do teu ser onde nada chega, longe do olhar do mundo, porque, quando “o outro lá de baixo” vê que já não pode impedir a chegada do Cristo, ele muda de técnica e vai receber o Cristo ao aeroporto. Isto chama-se materialismo espiritual e em termos de consciência, significa o ótimo – é o ponto de retenção da consciência colectiva.

O homem comum nem sequer vê a mesa. O aspirante vê a mesa e diz que a mesa está limpa. O discípulo vê a mesa e o grão de poeira sobre a mesa. O iniciado vê a mesa, vê o grão de poeira sobre a mesa e vê o grão de poeira sobre o grão de poeira sobre a mesa e ele diz: ”o grão de poeira não está limpo, quanto mais a mesa”. O iniciado é uma serpente e uma pomba.

A partir desta etapa é muito importante que a exteriorização da tua luz aconteça, porque não pode deixar de acontecer. A partir de Agosto deste ano, cada ser humano que se pôde manter a qualidade de orbitar em torno da sua maior qualidade interior, começa a aproximar-se rapidamente da condição de discípulo e muitos tornam-se discípulos aceites, estáveis dentro da aura de um Mestre, o que significa o aumento do magnetismo desses seres (o poder de atracção dentro do circuito do Filho. No caso dos curadores também dentro do circuito da Mãe divina, porque lidam com a vibração dos corpos). Os seres que têm a ver com as linhagens de profecia, de sabedoria, espelho, etc., lidam com o circuito do Filho. Tu já estás atraindo essa rede de seres que darmicamente te corresponde aliviar. Na proporção em que o ego se rende, Eles podem aumentar o magnetismo interno do teu ser sem perigo.

Certos seres humanos estão tendo implantada na sua aura e no seu ambiente interno a condição espelho. Estão sendo formados como refletores entre dimensões. Estão ligados ao circuito de reflexividade que é um aspecto da Mãe. Um espelho é um ser que aprende a colocar-se na maior equidistância vibratória que ele poder gerar nele. Estes seres espelho e grupos espelho que estão em formação na Terra, irão lidar com a fusão das suas auras individuais de dois fatos cósmicos: de baixo, eles irão começar a atrair gradualmente a energia do coração de cristal da Terra – branco rosado; de cima, eles deverão começar a ancorar neles a energia das naves-mãe.

Uma nave-mãe é uma plataforma orbital e neste momento existem pelo menos 7 grandes naves-mãe que estão começando a tessitura do corpo de luz da Terra.

Todo o aspecto tecnológico, de assemblagem, de engenharia dessas presenças cósmicas, é a tradução, num nível concreto, de factos internos altíssimos. Uma nave-mãe é um salto quântico pilotado para que a Terra mude de frequência, e para que a presença Divina possa finalmente saturar os éteres deste planeta. O que é a presença divina saturar os éteres? Significa que 99,9% dos teus pensamentos deixam de acontecer, fica apenas o nível mental que responde à presença divina, mas isto não por um processo de obliteração esmagadora, mas por um processo através do qual, os que não poderem responder a esta descida, vão “para outro quintal”, mas os que ficarem “aqui no jardim”, são aqueles que podem responder a essa frequência.

Estas naves-mãe contêm um aspecto do corpo de luz planetário, formam geometricamente em torno da Terra uma pirâmide invertida. O coração de cristal, na proporção em que for sendo despertado pelos seres espelho à superfície (esperemos que com a ajuda dos Mestres e dos anjos), forma uma pirâmide ascendente. À medida que a vibração do coração de cristal da Terra se expande, essa pirâmide luminosa ascendente adquire uma escala que envolve toda a Terra e essa pirâmide entra em sincronia com a pirâmide descendente formada pelas naves-mãe. No centro desta estrela de David está a Terra.


Quando todos estes triângulos de energia forem correspondentes, dá-se: a descarga, que é uma sincronia entre autorização da intervenção directa sobre o curso dos acontecimentos no planeta; descida da “presença da Mãe” ou “o Divino na substância”; deflagração duma onda compacta de um feixe de vibração que altera a constituição íntima da matéria para uma 5ª força constituinte - esta matéria só está nesta dimensão porque é composta por quatro forças, com a activação dessa 5ª força todo o planeta passa para a quarta dimensão.

Estas naves-mãe são, só por si, espelhos. Cada uma delas representa estrelas ou constelações. Significa que elas são lupas locais, pontos de focalização e de convergência da energia de constelações ou estrelas que têm a responsabilidade na ascensão da Terra. Esta dupla pirâmide reformula as leis planetárias. O contributo na superfície é feito pelos grupos e pelos seres espelho. Eles transformam-se em radares humanos da vibração desta operação.

Com o tempo irão ser partilhados, à escala planetária, mantras ligados à sincronia entre os espelhos humanos e o coração de cristal da Terra. Eles não podem mudar os acontecimentos sem que o coeficiente de humanidade tenha atingido um grau mínimo de sublimidade. Então, cada vez menos o nosso problema é saber mais. O nosso problema é SER mais.

Quanto mais tu fores solicitado colectivamente, tanto maior tem de ser o fenómeno da semente e da planta oculta que cresce por detrás da pedra. Este momento é extremamente delicado, porque é um momento de fronteira entre o plano causal e o plano espiritual. Cuidado, mesmo, finalmente com qualquer fusível, qualquer complexo messiânico, é preciso uma completa planície quieta. Quando isto acontece, a tua consciência naturalmente liberta do plano causal e tu sobes para o plano do espírito puro do fogo.

Quando estamos aprendendo a ligar a nossa personalidade e os nossos corpos à vida interior, a música, o sorriso de um amigo espiritual lembram-nos do nosso próprio interior. Estes seres em formação estão a começar a descobrir como extrair alegria cósmica do simples facto de existirem - não de estarem vivos nesta dimensão, isso é um detalhe - Isto é a passagem do causal para o espiritual.

Esta passagem para o 5º plano significa tu transformares-te gradualmente num príncipe do espaço, alguém que tem uma continuidade de consciência para além desta dimensão, que cultiva a chama interna até que ela rompe os éteres que estão virgens e que impedem a 3ª visão de atravessar a realidade física, de forma a perceberes que afinal não estão só estas pessoas nesta sala, mas estão mais não sei quantas e assim sucessivamente.

A nossa mente, a nossa interioridade, o nosso psiquismo estão completamente afogados de ilusões. Estes seres espelho a ser formados estão a ter oportunidade de ver a sua consciência ser erguida acima destes consensos, e começarem a espelhar essas duas energias complementares. O corpo de luz da Terra é construído pelo despertar fulgurante do coração estrela do planeta e pelo campo de facilitação interdimensional fornecido por essas naves-mãe. Enquanto a nossa consciência está sob a influência dos três veículos, eu não faço contacto com estas duas turbinas de ascensão planetária.

Eu vibro fora do campo de estabilidade do meu ser interno e fica tudo completamente confuso, negro, denso, nevoeiro, Novembro, Chuva. Assim que eu me permito comutar e reafirmar em mim a realidade cósmica da qual eu venho, rompe a nuvem, entra o Sol do ser interno e tudo se revela como um sonho. Nós estamos passando de prisioneiros a co-criadores do planeta.

Para que eu possa trabalhar a substância de um nível eu devo estar polarizado no nível imediatamente acima. Um emocional tumultuado é trabalhado através de um olhar cristalino que não se deixa atrair para o drama e atravessa todas as camadas do drama com essa luz fria do entendimento claro. Um vital emocional em caos, fica quieto, aprende o seu lugar na criação porque tu não estás lá, a navegar naquelas águas, mas estás a fazer descer um feixe muito límpido, muito exacto, da luz fria azul cobalto do entendimento puro. Isto implica que eu aprenda a olhar para mim. Eu crio uma distância em relação à minha natureza e cada vez que a existência realmente magoar, tu vais perceber: “Eu estava polarizado naquele nível, isto veio para me tirar daquele nível”. Chegamos portanto à benção do sofrimento. No momento em que inteligentemente tu percebes o motivo inteligente pelo qual aquele sofrimento está ali, em minutos ele dissipa completamente, senão não podíamos falar de uma hierarquia entre a mente superior e as emoções.

Enquanto eu não vejo a inteligência por detrás do sofrimento tentando recriar-me, tentando fazer com que eu vá mais longe e usando o recurso do sofrimento como um método de crescimento, eu sofro com o sofrimento, até ao momento de tu seres um discípulo que é um ser que desenvolveu a técnica de não sofrer com o sofrimento. Será que isto nos vai desumanizar? Com certeza que vai se tu não tiveres a ponta da pirâmide, agora se esta operação é feita em nome da construção de um cálice para uma luz maior, o teu coração aquece. Se tu fazes isto em nome da única vida, do único Ser, a superação do sofrimento transforma-se instantaneamente em compaixão.

Tu sabes que estás a fazer o trabalho correto porque a tua compaixão cresce, tu sabes que não estás a fazer o trabalho correto porque ficas frio, indiferente, desumanizado. Perdes as tuas qualidades humanas.

A forma de perceber que se está corretamente superando o plano emocional, é que tu não sofres com o sofrimento - o sofrimento continua lá, porque se tu és um ser ligado ao 2º Raio, enquanto a humanidade não estiver liberta, tu sofres - o teu coração aquece. O fator humano está lá, o que surge é uma vasta compaixão. Esta compaixão é igual à semente que cresce por detrás da pedra, ela satura os teus circuitos emocionais, a tua natureza humana e depois transborda. A compaixão espiritual é completamente balsâmica. Eu estou sofrendo mas estou aprendendo a olhar para o meu sofrimento atravessando-o com a luz pura do entendimento claro. Entendo que há um motivo inteligente para isto que está à minha frente e esse motivo não é pessoal, é cósmico, o Universo está interessado em mim, portanto eu sofro. Esse sofrimento alquimiza-se em compaixão.

Tudo aquilo pelo qual um ser humano passa é um processo de refinamento, mesmo a própria degradação, dentro de certos limites. A chama divina precisa de, antes de descer qualificar os teus materiais. O sofrimento, o ostracismo, a solidão, a não compreensão do meio ambiente, são processos de refinamento dos corpos até que eles possam adquirir a nobreza necessária para ancorar a chama divina. Mas essa nobreza é o resultado de uma humildade no tratamento de si para consigo mesmo. A humildade é a total ausência de egoísmo. Enquanto o egoísmo permanece, permanece a hipótese de eu querer atrair as coisas na minha direção, porque o ego é um íman. Deus é nudez, Ele está tratando das coisas. Então, tu começas a ficar cada vez mais tranquilo. Se uma determinada tarefa espiritual que eu gostaria de fazer não for para ser feita por mim, tudo bem, é feita pelo ser que está ao meu lado. A tua tarefa foi pensada pelo Divino para ti, portanto, ela contém algo secreto que te corresponde profundamente. A humildade, a gratidão, a compaixão, a verdadeira simplicidade, estas rezinas são a condição para que a chama ancore em ti.

O que é que está limitando a iluminação de um ser? Tudo o que não é ele, e as éreas que ele não iluminou ainda. Tudo o que acontece é um refinamento. Cada episódio é um burilar na direcção da aristocracia do espírito. Se eu compreendo isto, eu fico completamente tranquilo perante a realidade à minha volta. O meu coração pode finalmente dilatar-se sem condições. Até que na terceira iniciação, a parte humana pode continuar com alguns pontos de sofrimento, de luta e de contraste, mas tu ficas completamente livre desse processo. Na terceira iniciação a capacidade de sofrermos através dos nossos corpos, pelos nossos corpos, termina. O sofrimento que se segue diz respeito ao resgate da Humanidade e a processos de transmutação colectivos.

A activação deste coração de cristal já começou e tanto as lendas dos Hopi no deserto do Novo México, como as lendas Maias, como alguns poemas místicos tibetanos, falam desse cristal oculto no centro da Terra, não é feita nenhuma referência à dimensão dele, mas percebe-se que ele atua sobre as leis do contínuo, do espaço-tempo dentro do qual a Terra está inserida. Provavelmente esse cristal é uma porta interdimensional ligada a Sírius e ao Sol.

Na proporção em que hipófises humanas aprenderem a sintonizar com essa estrela adormecida no coração da Terra, ela poderá despertar, ela funciona como um timo planetário e à medida que liberta a sua secreção, o comportamento das plantas, o comportamento geológico , o comportamento dos animais alteram-se e sobretudo, o éter começa a tornar-se finalmente saturado da energia do Logos planetário.

Qual é a diferença entre o éter desta sala e o de um templo intraterreno? A diferença é que no éter dum templo intraterreno a vibração, a presença, o facto oculto Logos planetário, não é mais oculto. Não porque haja uma experiência clarividente, mas porque no momento em que tu entras em contacto com essa química, implanta-se dentro de ti a energia do Logos que corresponde, no ritual católico, ao sacrário.

A emergência da vibração do facto interno desse cristal em toda a atmosfera da Terra e a sincronia dessa pirâmide ascendente com a vibração divina descendente produzida pelas naves-mãe, gera um campo interdimensional e uma porta, o que acontece é que todo o éter do planeta passa a ser sacrário.

No ritual católico, no momento em que se abre o sacrário e se tira a hóstia, é o momento em que os celebrantes estão todos de joelhos, o que significa que a condição humana não está à altura de compreender o mistério do sacrário. Se tu perceberes um templo como uma sequência de passos iniciáticos, no centro, o sacrário é a convergência de toda a energia do templo e no rito, o sacrário é o ponto alto. Tanto no espaço, arquitectonicamente, como no tempo, o sacrário é o centro. No ritual católico canónico aos olhos da hierarquia, naquele momento dá-se o contacto daquela assembleia com um grau de Shambala, …senão não era sacrário.

O sacrário sempre implicou, na sequência da compreensão do ritual católico, o ponto em que o mistério é revelado, e contudo, ninguém percebe nada. Em termos ortodoxos isso significa a revelação de uma verdade maior, daí que as pessoas estejam de joelhos. Num templo construído segundo a ortodoxia espiritual maçónica, que era a ordem oculta encarregada de apoiar o catolicismo, se elas se tivessem entendido para o bem da Humanidade, em vez de se terem excluído mutuamente, os maçons eram os construtores dos templos, quando o sacrário é aberto, existe uma convergência de energia cósmica naquele ponto e há um estímulo muito exacto sobre todos os seres humanos, isso corresponde a momentos também igualmente exactos nos rituais budistas.

A activação do coração de cristal da Terra, a transpiração dessa holofrequência que organiza todas as moléculas da Terra segundo um novo diapasão, e a activação da pirâmide descendente fornecida pelas estrelas via naves-mãe, opera um sacrário em todo o planeta. O trabalho dos seres espelho é assistirem à ancoragem dessa vibração e construírem epicentros para essa ancoragem. Cada ser espelho é um sacrário.

Por André Louro de Almeida                 17/11/1999

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites