Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Parte II: Aura de resgate. Função cubo. Função pirâmide. Subtilização dos corpos

Estamos definindo como aura de resgate zonas da consciência e geográficas e tipos de alinhamento que produzem um vácuo cármico, portanto, uma aura de resgate é um vácuo cármico – campo de vibração onde o carma planetário não penetra. Uma aura de resgate é acessível apenas na proporção em que eu me vou distanciando do meu próprio ser cármico. Como uma aura de resgate é um poço de inversão magnética, um habitat no qual a frequência alma é dada como o mínimo admissível, e é um poço cármico porque as forças que movem a trama da superfície da Terra, que é todo ele a ponta de um iceberg cuja raiz profunda é totalmente involutiva e estas peças no tabuleiro mundial movem energia com aplicação macro cósmica. Numa aura de resgate estas forças não podem penetrar.

Chamamos aura de resgate à zonas na tua consciência, nos corpos, zonas geográficas, onde a lei do carma não penetra. Certos núcleos no planeta estão sendo convocados para uma etapa de purificação consciente que permite esvaziar os nutrientes negativos que alimentam os parasitas do medo que nos liga à antiga civilização de superfície. É uma mutação entre uma civilização tangível e uma outra civilização interna, invisível, mas para a qual estão sendo canalizados todos os fogos válidos da actual civilização cessante. Temos um translado de tudo o que é são, límpido, verdadeiro, cristalino na velha civilização usada, que cumpriu a sua função e colocou o homem no nível da mente com discriminação. Actualmente o fruto do tempo é um ser de boa vontade, que pensa: “este fruto está maduro e para continuar o seu crescimento está a ser preparado para ser admitido conscientemente a uma confederação inter estelar”. As raízes luminosas do homem estão a começar a entrar em conflito com os limites do vaso civilizacional que até agora lhe deu estrutura, isto em níveis internos, ela está-se a tornar um espartilho para o respirar pleno da flor do espírito do homem e os jardineiros vão fazer o translado da planta que está a ficar claramente atrofiada para o novo vaso.

Estes nossos Irmãos cósmicos estão a preparar translado das plantas que têm raízes luminosas resgatáveis que o justifique para um vaso mais largo, um vaso de amor profundo, de união entre toda a consciência, de compreensão do uno. Eles estão a começar a preparar núcleos, estufas de crescimento, os quais podem responder coerentemente ao impulso dessa energia que desloca a totalidade das forças do ser, duma localização subdiafragmática para uma focalização supradiafragmática. A força deve subir. Para que a mónada possa localizar-se em nós, de uma forma mais estável e para que a minha vida espiritual deixe de ser intermitente e passe a ser um facto maciço, com poder de deslocamento comportamental colectivo, com poder de intervenção oculta, é necessário trazer a sua força até ao plano de transferência entre o plexo solar e o coração, na zona do diafragma, aí é feita a transferência da velha para a nova Terra e é a partir dessa fronteira que a civilização actualmente invisível começa a ganhar corpo. O instrumento da civilização que os Mestres criaram nos planos internos está pronto, é só a condição lógica no encadeamento da evolução de um planeta para o desdobramento da luz que se encontra já aprisionada no interior de uma humanidade. Quando uma alma nasce, nasce numa prisão de forças.

Ex.: 35 anos da vida da alma são usados para compensar herança genética, são chamados o feitio da mãe, do pai, da avó, isto é genético, é considerado, do ponto de vista de uma alma evoluída, uma aquisição completamente retrógrada. Do ponto de vista duma alma que está ainda a despertar, talvez o feitio do pai seja útil, mas para uma alma que vem a serviço, duma alma que sabe (tu aqui em baixo podes não saber nada mas a tua alma dentro de ti vê, já nem é, sabe), esta herança genética leva 35 anos a reciclar, a recombinar, basta observar-mos o tempo que o nosso consciente utiliza com assuntos familiares para vermos o complicado que é para uma alma vir servir a este planeta. Mas pais, mães e tios não é parte do serviço planetário? É por irradiação. O grau luz do teu ser profundo é que é o teu serviço, não é a discussão.

A nossa civilização ganha corpo em ti, tu és o tijolo, um elementos radiante de uma civilização que está a começar a se firmar no planeta e nada acontece sem que primeiro o éter saiba. O éter é o veículo da precipitação. Ex.: Há pintores geniais que só são geniais no sítio onde trabalham há anos, porque se são postos demasiado fora do seu ambiente e lhes é pedido para fazerem um trabalho noutro país, noutra zona, eles podem não encontrar a totalidade da inspiração e o tipo de disciplina estética necessária para atingirem o ponto da genealidade. Isto tem a ver com o éter, com a acumulação numa zona geográfica de protocolos de tradução de luz em força, e o éter é isto, é uma região nas camadas planetárias em que a energia é traduzida em força anímica, força vital, força de precipitação, vontade de realização porque a luz é uma ondulação saturada de inteligência da vontade do Pai que utiliza o plano etérico para impressionar os elementais dos nossos corpos.

O corpo físico é um elemental Terra, que tem uma inteligência do tipo Terra e tem poder sobre o elemento Terra. Para que o corpo físico possa realizar o que tu vês, o plano etérico tem que estar presente, daí se usar a expressão físico/etérico. O plano etérico tem de estar saturado com códigos vindos da centelha, e se estes códigos/luz não chegam ao plano etérico, não são traduzidos em força. Não há energias negativas, o que há é forças negativas porque energia implica sempre um tipo de inteligência ligada ao Logos, e se uma coisa se desprende do Logos perde o carácter de energia e transforma-se em força que não é inteligente, não no sentido do Logos. Inteligência espiritual viaja por energia e o plano etérico (composto por redes subtis) traduz energia em força, então, há forças involutivas e evolutivas, forças que têm o poder de te pôr em movimento criando uma nova civilização.

Antigamente quando ia ser construída uma catedral, os anjos deslocavam para a zona centenas de pássaros (andorinhas, melros, rouxinóis) e os anjos, através dos devas, instruíam os pássaros para certos tipos de cânticos e era o canto dos pássaros durante meses ou anos naquela zona que preparava o éter para quando chegavam as ordens massónicas, começarem a manifestar a catedral. Mesmo que não houvesse uma virgem Maria – que é uma central de preparação do éter à escala logóica – a transformar energia em força, os pássaros já faziam esse trabalho.

A aura de resgate é uma região do teu ser ou geográfica onde os Irmãos estão a drenar, para forma, o carma planetário, os elementais do pensamento normal e a introduzir a nova Terra.

Uma nova Terra é uma frequência, uma vibração, um código electromagnético que facilita a transformação do pensamento dos Mestres em força elemental de altíssima qualidade, que pode ser usada pelo discípulo para a construção e é por isso que, fora da aura de resgate, muitos seres estão em depressão – que é um estado de ausência de força, porque vocês podem ter muita luz mas se ela não se transformou em força vem a depressão, porque os corpos não querem, porque a força que inspira e dá à personalidade a vontade de cooperar com o plano não está presente. O corpo astral foi criado para receber o impacto do 2º Raio do Logos planetário e um discípulo autêntico não encontra equilíbrio emocional enquanto não sentir que o seu amor não tem endereço. Não há corpo astral em equilíbrio nesta etapa do problema planetário, enquanto eu acho que sei quem eu amo e porquê. Este amor necessita de ser liberto da nossa boa vontade. Enquanto eu dirijo o meu amor e eu estou ainda em fricção com a vontade oculta do meu corpo astral, emocional, e do meu corpo de expressão de ligação, o amor que vem das regiões mais altas não vem para ninguém, ele vem para estar em nós e irradiar-se em esfera em todas as direcções.

Quando se fala em acesso a uma aura de resgate implica que eu esteja conscientemente fazendo o translado de uma polarização abaixo do diafragma, para uma acima do diafragma porque a qualidade vibratória que as hierarquias cósmicas estão impregnando o éter não é da velha Terra, elas vêm do tempo, do futuro, da 4ª dimensão e esse éter tem o poder de traduzir ideias, visões, inspirações, contactos, em vontade construtora e é por isso que vamos ter seres que vão estar deprimidos quando não estão em contacto com a aura de resgate e assim que entram em contacto transformam-se em líderes. Isto é, enquanto eles estavam fora de um facilitador que permite que eles manifestem aquilo que eles vêem, e a fricção constante entre o que eles vêem e o que eles conseguem fazer, e no estado em que as coisas se apresentam, quase nada do que os Mestres querem fazer é feito.

As auras de resgate fazem a tradução da luz em força construtora e nós vamos ter senhoras com 70 anos, que nunca pegaram numa pá, e quando entram numa aura de resgate levantam paredes inteiras.

Quando dizemos: “não te definas, nem ao irmão ao teu lado, cuidado com a ideia que este ser estagnou”, ninguém estagnou. Uma aura de resgate permite a regeneração profunda dos veículos dum ser, a expulsão do parasita que consome a tua energia. Tu és parasitado por um obsessor civilizacional.

As funções da consciência, a matriz dentro da qual o homem se encontra aprisionado é um campo morfogenético mantido por magos negros, que, falando em termos de geometria sagrada, é traduzido por um cubo, enquanto que a forma pensamento da nova civilização e o campo vibratório que é mantido vivo pelo pensamento dos contemplativos, da hierarquia, e que é uma matriz de salvação, de redenção, de resgate, se tivéssemos que a descrever em termos de geometria sagrada, é uma pirâmide.

Os nossos irmãos do judaísmo ortodoxo amarram um cubo preto à testa para orar no Muro das Lamentações. Aquele cubo significa uma plena consciência da função cósmica dentro da qual nós estamos prisioneiros. A função pirâmide, a ligação do quadrado ao uno é a função através da qual a consciência terrestre é transformada em consciência celeste. A função piramidal é um cumutador dimensional, a função cúbica é um aprisionador dimensional e todos nós somos parasitados por essa função cúbica cuja lei é o medo. A lei da função piramidal é o amor.

A função cúbica que corresponde especificamente à mente concreta, que é onde “os outros senhores” têm o seu quartel general – no plano da mente concreta para a mente abstracta – é composta por um conjunto de leis que garantem a função do medo a partir do chacra da raiz por todo o corpo etérico, donde que, a energia que vem da centelha, ao tentar penetrar a entidade humana tem que atravessar o corpo etérico e está lá a informação medo e a partir daí a própria energia que vem da mónada é usada para aumentar o sofrimento aqui em baixo, e este é o parasita.

Nós, portanto, temos um virús que é o medo, que implica uma desconfiança em duas direcções: na direcção do Universo, que pode não ser um sítio totalmente seguro; a outra é, de mim para ti. Enquanto eu tiver medo de ti os parasitas da humanidade têm alimento. Enquanto existe medo, o medo circula e fortalece a função cúbica dentro da qual o homem está aprisionado.

O éter das grandes cidades é composto principalmente por códigos cúbicos – as casas são cúbicas feitas com tijolos – enquanto que o éter, numa aura de resgate, já é composto por funções piramidais, isto é, a forma como a luz é traduzida em força na aura de resgate é através da pirâmide. Significa que a força que chega aos nossos corpos dentro da aura de resgate está saturada de intenção divina e, em última análise, o que produz cura, numa aura de resgate, é a acção.

A função pirâmide fixa, nas 3 dimensões terrestres, a vontade do Pai. Os nossos corpos encontram--se dominados à distância através de antenas, de automatismos de controlo, a tua medula oblongata é altamente sensível à presença de antenas. Nós encontramo-nos sob um plano de controlo, de repetição rítmica do quotidiano, ou seja, nós teremos que ser medrosos, não criativos, não exploratórios, não prospectivos, profundamente desconfiados uns dos outros, basicamente desunidos para podermos ser usados.

O medo é uma vibração que tem como característica duas coisas: ligar-te ao objecto do medo, e o medo multiplica o medo, porque o medo num ser activa as defesas do outro ser, as defesas do outro ser activam ainda mais as defesas do primeiro ser e, de repente, a circulação de qualidade está toda afectada e não há qualidade, há um vácuo de comunicação.

O sangue contém cristais de sódio que têm justamente uma forma cúbica. Os elementos cirstalinos no nosso sangue são os responsáveis por transportar informação divina às células (não estou a falar das plaquetas, nem da linfa, nem da hemoglobina), são fixadores de luz e quando o sangue passa por regiões cosmicamente iniciadas, à medida que o sangue aflora das regiões profundas e se aproxima da pele, ela recebe bombardeamentos de fotões que contêm informação Pai, a memória da eternidade. O cristal que mais temos em suspensão no sangue é sal e o trabalho de preparação de acesso às auras de resgate implica que os seres comecem a comutar cristais de sódio em cristais de sílica que têm uma forma piramidal, isto é, fixam a informação do Pai sem a transformar.

A aura de resgate, na libertação da lei do medo, da lei da morte, da lei da causa e efeito linear, do olho por olho dente por dente e o acesso às funções/luz ligadas a câmaras acima do Sol, e às naves laboratório está a começar a drenar, para fora das regiões geográficas de resgate (em Portugal existem três grandes e várias menores – uma no sul outra no centro e outra entre Portugal e a Galiza). Estas regiões estão tendo os seus “anéis não passa” fortalecidos e todo o éter do pensamento do consciente esquerdo velho, contaminado, retirado e estão tendo os vácuos cármicos saturados com éter que vem de além da Terra.

Até hoje existia uma região do planeta onde havia éter sem carma que era, principalmente, o Pólo Norte, região onde não tinha havido a defracção da dualidade tão potente como no resto do planeta. Não chega, então Eles estão a trazer éter virgem do cosmos para as auras de resgate. Significa que a tradução da luz, da visão, da inspiração em força, em obra, nessas regiões tem tendência a ser extremamente pura, com um mínimo de distorção.

Auras de resgate significa que o cosmos vai penetrar na Terra porque para que a mónada desça, eu preciso de subir. O planeta precisa deste ser, um Percifal capaz de trazer a força até ao cálice e aguardar a descida da pomba. Não há cura no emocional fora disto. A cura do emocional é reencontrar a função para a qual foi criado. A cura do mental é a mente submeter-se ao intuitivo e saber qual é o lugar dela na criação e se temos fenómenos de psicose e esquizofrenia, não é numa vida que se fazem estes fenómenos, é preciso muitas vidas descompassadas da chuva intuitiva, ignorando esta frescura, esta energia de nutrição que vem de cima para eu poder ter os meus pólos mentais desencontrados e começar a ter processos de psicose.


Quando se fala em função pirâmide, fala-se numa codificação e numa matrix etérica capaz de traduzir luz em força.

Qualquer ser lúcido, alinhado, senta-se debaixo de uma árvore e contacta o plano, a parte que os Mestres têm para ele, o problema é traduzir este contacto na manifestação do novo planeta. 90% dos seres chamados já têm clareza do que é, mas a tradução disso para baixo ao longo dos planos da forma, que isso se transforme em factos, não está a acontecer porque nós estamos a lidar com éter contaminado, enfraquecido por antenas lá dos “outros” e essa força chega lá e pára. Então nós temos o plano retido no mental superior.

As auras de resgate são regiões onde Eles mudaram as leis e introduziram um tradutor da energia divina em força e estão começando a construir. Uma das palavras essenciais da auras de resgate é construção.

Então nós vamos ter destruição no exterior e construção no interior das auras de resgate e é por este processo de comutação gradual que a velha civilização de superfície desencarna e a nova civilização encarna. É por eco-sistemas ocultos porque o que está por detrás duma civilização são leis ocultas e Eles estão a desactivar as leis que mantinham a velha civilização a funcionar. Isto obriga a que a zona intermédia está a deixar de ter suporte, inclusive electromagnético.

As auras de resgate são centenas, a Nova Zelândia é toda ela uma aura de resgate. Há zonas bastante estritas 5 a 6 m2 e zonas bastante vastas. A principal aura de resgate na Terra fica entre o Altai e a Sibéria, que é uma região imensa onde Michael e Jesus fizeram descer os seus raios principais. Isto é, um arcanjo contém raios principais e raios secundários, tem campos de força que actuam directamente sobre as coisas e campos não tão intensos. Na Rússia é onde a energia de Michael é mais intensa e aí é uma aura de resgate que contém montanhas e cordilheiras que já está totalmente purificada, primeiro pela sua inacessibilidade, depois porque o processo tem sido mantido extremamente secreto e apenas alguns grupos herdeiros do melhor da teosofia e da Agni Yoga, que se têm deslocado para lá para activar, a nível humano, o trabalho das auras de resgate. Essa grande plataforma está destinada a receber seres que vão fazer contacto com a nova Terra mas não mais com o corpo físico. Quando de repente desaparecem alguns milhares de seres, “no problem”, existem campos imensos preparados para receber contingentes que fazem desencarnação em massa e um deles é essa região nas planos subtis da Sibéria que apanha o Altai e parte da Ásia Central.

À medida que consumimos menos sal e mais água mineral começamos a ter mais sílica no sangue.

Para que eu possa lidar com os planos concretos (o meu sangue, o meu sistema nervoso, uma compreensão alquímica do corpo e das emoções) correctamente, eu tenho que estar completamente polarizado no meu ser interno. Para cada dez minutos de compreensão das novas leis do corpo físico vamos precisar de trabalhar horas no nível da oração, senão caímos no nível dos terapeutas alternativos. Isto é uma lei de equilíbrio na circulação de energia num ambiente de aprofundamento.

Purificação significa largar toda a bagagem que ofende o campo da alma. Tudo o que em mim não confirma a vibração da minha alma deve ser posto em questão. Purificação significa reproduzir, no nível do ser, o mais possível, a vibração da minha alma.

Nós estamos de tal modo submetidos à coisa velha que a minha alma e o meu ser interno tocam-nos intermitentemente. A experiência do místico contemporâneo é de um toque em 98 e depois outro em 99, depois uma coisa linda no Verão e outra novamente no Inverno. Não há contacto profundo com a nossa realidade essencial, nós estamos completamente a dormir. Os nossos corpos fecham a descida da alma.

Quando um processo de cura e purificação é vivido colectivamente, cada acto positivo feito por um dos teus irmãos circula por toda a aura e favorece o teu próximo acto positivo. Gera-se um dínamo de desligamento de forças ancestrais, Nós precisamos de nos deslocar do campo colectivo que diminui o poder de transpiração/luz do meu ser. Façam-no sem qualquer medo porque tu estás a ser transladado de um velho para um novo vaso, porque o vaso está pronto, Morya, Seraphis, Maria, trataram disso. Vamos nos próximos tempos desenraizar amorosamente a nossa relação com o pior da aura colectiva e os Irmãos estão-nos a preparar e vão retirando gradualmente a planta do velho vaso e daqui a seis meses vocês vão ter uma experiência estranha que é a de não estarem identificados, de todo, com a actual civilização, ainda que haja ramificações cármicas, entrega-as porque isso é um problema dEles lá em cima. É para largar o vinho e substituí-lo por água mineral, porque enquanto estivermos ingerindo substâncias que desaceleram a nossa vibração, não adianta. Um dos pontos essenciais do contacto com uma aura de resgate é a coerência. Eu preciso de me tornar uno para que haja uma mesma vibração ao longo dos 7 corpos. Os vossos próximos vasos estão dentro das auras de resgate. Porque é que o teu ser interno não permanece? Porque há vibrações em nós que o repelem, grande parte delas vêm do colectivo. Há seres que fazem transformação colectiva, passam o tempo a achar-se péssimos porque o planeta está péssimo. Quando um ser vem para fazer transmutação colectiva é para se sentir péssimo e é para estar encantado, tranquilo, sereno, em paz enquanto está tranquilamente péssimo, porque tu tens vastos recursos de consciência para dentro. Este nível de lucidez está disponível. Todos os seres de Peixes, os ligados à energia de Virgem, com tendências somáticas, os ligados a Gaya (massa inteligente da Terra) eles não têm que se sentir bem, é mesmo para se sentir mal.

O novo código genético já está a ser implantado e nós observamos que muitas crianças já o manifestam, mas, nas auras de resgate atinge qualquer adulto e é provável que nas auras de resgate observemos um atenuar profundo das funções dos chacras inferiores, isto é, da necessidade de estar constantemente ligada à energia telúrica da Terra. O atenuar dessa função diafragmática significa que também elas são preparadas para canalizar força vinda do teu ser interno. A região que nos prendiam à antiga civilização é toda reciclada, limpa, purificada, e se for preciso fazer lavagens intestinais, fazem-se, se for preciso dormir ao ar livre, dorme-se, e isto já é um nível bem avançado de purificação, faz-se entre Julho e Agosto depois de um jejum. Acontece que à noite o resto da humanidade está a dormir, portanto, milhões de rádios todos a processar medo estão desligados, por isso é que a noite pode ser uma forma de contacto muito afinado porque a aura colectiva fica mais transparente à luz pura e quando um núcleo faz um trabalho de vigília, enquanto os milhões de rádios que processam a paranóia colectiva estão desligados, tu ofereces-te para funcionar como ancoradouro de uma energia superior.

Um ser em vigília é como que um tubo de luz cristalino através do qual a energia pode descer sem ter que ser seccionada, danificada, contaminada por pensamentos colectivos. É para fazer um trabalho combinado, rítmico em que todos simultaneamente verifiquem certos pontos e quando um ser tem o 1º Raio disponível - e o 1º Raio é quando a mónada diz: “ou vai ou racha”. Uma mónada de 2º Raio já é uma coisa do género: “bem, sabes, ou vai ou racha, sabes e olha que racha mesmo”. Com as mónadas de 3º Raio é mais: “é melhor ir, porque senão pode rachar e eu vou-te explicar porquê”. Uma mónada de 3º Raio lida com informação/luz, com conhecimento. Não substimem o poder de repulsão da mónada uma vez activada, tem o poder de manter à distância forças involutivas, é o oposto de amuleto que é quando eu não sei nada da minha mónada. Os seres com energia de 1º Raio vêem o caminho e não o problema. Ele vai e não se preocupa minimamente com quem fica, então, a progressão dele é mais rápida, ele estabiliza um nível superior de energia de uma forma muito intensa e rápida, só que quando chega ao alto da montanha olha para trás e deixou imensas feridas pelo caminho.

O 2º Raio é bastante mais lento, ele vai lentamente e o problema dele é que ele vai desde que vão todos, enquanto que o problema do 1º Raio tende a transformar-se num Ayatola (ortodoxia ofensiva) o problema do 2º Raio é que nunca mais lá chega porque ele acha que vem para salvar toda a gente e vai-se transformando, no cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo, e quanto mais cordeiro mais pecado, e é imolado! porque o 2º Raio absorve as forças involutivas, não tem a mínima noção de defesa nem de campo vibratório, e chega e diz: “eu vou para Shambala, quem quer vir?” e o que acontece é que ele é crucificado e o grave é que ele gosta! E como é que se educa um 2º Raio? Uma das grandes ilusões deste ser é o messianismo. A qualidade dele é que cada degrau que ele sobe ele faz uma acopulação pedagógica com os outros.

O 1º Raio é da liderança, o 2º é da instrução.

À medida que um ser de 2º Raio se desloca para o topo da montanha, que demora 100 vezes mais tempo que o 1º Raio, ele deixa uma instrução preparada, enquanto que o 1º Raio chega lá acima com silvas nas orelhas e todo esfolado e diz: “Pai, cheguei” “De facto és rápido, mas tens de voltar lá abaixo a concertar tudo o que danificas-te enquanto subis-te”. O 2º Raio nunca mais lá chega mas entretanto vai construindo uma escada, cuidadosa, amorosa, na qual todos os seus irmãos e seres que pertencem à rede cármica dele podem subir. É um ser que precisa partilhar o que está a fazer.

Quando num trabalho autêntico o ser está convencido que o resto do planeta está a dormir e que anda toda a gente a pastar, isso é o 1º Raio a dizer: “este trabalho autêntico soube-me a pouco preciso duma coisa mais forte” e andamos nesta dialéctica, todos nós temos 1º e 2º Raio.

Se eu não tenho 1º Raio para deixar de comer um alimento (carne) e percebo dentro de mim que é para deixar mas se há 2, 3 ou 4 seres com 1º Raio na aura, quando eles dão o passo, a vibração comum sobe, eles elevam a vibração do conjunto, depois os 2º Raios adaptam, explicam, criam uma teoria em torno do assunto.

Os Irmãos consideram que o que era possível fazer individualmente, a nível de remoção de forças antigas da zona subdiafragmática, está feito, a maior parte do esforço individual foi feito em vidas anteriores, nesta encarnação nós estamos aprendendo a trabalhar com ambientes colectivos, tanto assim que, o foco dos Irmãos não é tanto os Mestres ascensos mas as civilizações internas da Terra, isto é o que significa a passagem da instrução de Peixes (Mestre ascenso e o discípulo cá em baixo em devoção) para a energia de Aquário (em que é comunicada a grupos a existência de outros grupos – civilização interna com a qual ele entra em fase).

Nós entrámos numa fase de aceleramento vibratório, de edificação do grau/luz e isto é feito colectivamente.

Ao beber um copo de água mineral eu devo ter a consciência de que estou a introduzir sílica e a eliminar sal do meu corpo e com consciência da construção. Se eu tenho tendência para construção criativa, então eu estou a beber um copo de luz, a diferença é que eu estou coligado com os meus irmãos de caminho. Deixar de fumar tem um significado muito mais profundo que simplesmente desencarnar e tu já estás a bater noutro nível do inconsciente, tu estás a dizer: “se eu deixar de fumar eu passo a ser um suporte/luz e os meus irmãos necessitam desse suporte, sem outras motivações.

Se todas as pessoas dessa aura colectiva estão vivendo o mesmo processo de purificação, tu vais receber força. Seraphis está-nos tentando comunicar que é disponível, através do campo colectivo destes ambientes, a força que se traduz em vontade e serenidade.

O teu corpo físico não se regenera porque tu não te regeneras, porque o corpo é uma tradução directa do espírito. Renasce dentro de ti para com isso criares um campo que expulsa qualquer miasma, mas este renascimento essencial não pode ser adiado.

Quando fazemos purificação estamos a sacudir raízes e à medida que vamos mudando a alimentação, drogas, hábitos compulsivos, etc., vamos perdendo o contacto com a aura colectiva. A meio do processo passas a estar em contacto com a aura das grandes árvores, das montanhas, do campo e quando chegarmos a uma fase em que podemos estar 2, 3 dias só com sumos ou saladas de frutas pudemos fazer a experiência do sono ao ar livre em que tu estás fora do cubo e pode ser a forma em que os Irmãos, finalmente, retirem tudo o que ainda resta de miasmas que vêm da actual civilização, da Atlântida e finalmente da Lemúria onde está fortemente enraizado o medo que é o último condicionamento a ser extraído porque o medo tem uma função útil, mas a partir dum certo ponto, ele já não está a fazer mais nada no teu corpo vibratório.

O êxtase precisa de descer, e justamente o medo é a última vibração a ser conquistada. À medida que vamos usando bem o tempo e o espaço, a energia monetária, o rancor, o ciúme, toda a onda velha começa a ser retirada colectivamente.

Este processo de purificação é feito dentro da aura de uma hierarquia (Seraphis Bay) cuja energia é branco cristalino e o símbolo é a estrela de David ou a flor de lis.

Vamos também rever a nossa oralidade, porque o chacra da laringe desalinhado corta o contacto com os planos internos. Sempre que uma palavra não está contida de consciência espiritual está contida de consciência desleixo. Falar é uma forma de cuspir pedaços de elementais do plexo solar ou uma forma de irradiar a energia do ser interno. Tu sabes que um ser tem o emocional purificado porque a oralidade dele é estável, própria, limpa e jamais é ofensiva.

O ser deve ser claro na sua distanciação se for preciso passar uma energia bem forte de não identificação, mas ao mesmo tempo não ser ofensivo. O 1º Raio pode ser extremamente destrutivo e nunca é ofensivo, ele secciona sem ferir , separa sem cortar.

Há um vácuo cármico em nós onde as energias involutivas não penetram que é em torno do coração e o ponto que nos coliga às auras de resgate é nas costas entre as omoplatas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites