Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Perguntas III

P.: Qual o mecanismo que regista todos os actos que praticamos em vida (positivos e negativos) e se o sangue contém esse registro. Neste contexto existe algum perigo na prática da autópsia.

R.: Existem vários tipos de registro em simultâneo. Um ato raramente é suficientemente linear para ser registrado apenas por um tipo de registro universal.

Os nossos atos são bastante complexos e incluem uma rede de fatores também complexa. Um ato é sempre composto por uma motivação que raramente é totalmente consciente. É muito raro um ser ter completa clareza acerca da motivação dos seus actos. Ele tem uma percepção consciente do que ele julga que está a fazer com aquele acto, mas se ele reflectisse um pouco mais, entraria no semi consciente e o seu psíquico lhe diria outras coisas acerca da verdadeira motivação por detrás de um acto e se ele fosse um ser bastante desanuviado, então ele conseguiria ver, com precisão, o verdadeiro ponto de partida das suas acções.

Aquilo que o indivíduo acredita que está a fazer é registrado num tipo de mecanismo, aquilo que o indivíduo, em auto observação mais consciente, percebe que é a sua motivação, já vai para outro nível de registo e a verdadeira motivação, que vem do profundo de um ser e que ora vem dos níveis luminosos do ser, ora é uma erupção do medo (e isso também é uma verdadeira motivação) é registado num terceiro mecanismo ainda mais interno. Isto significa que, aos olhos da lei, só em consciências muito primitivas é que os Irmãos pesam o acto em si. A partir do momento em que nós somos conscientes e começamos a nos tornar abstractos no pensamento em relação à acção e que vamos pesando a textura luminosa ou tenebrosa de um acto, a mecânica do acto não conta, conta o estado vibratório do ser que está por detrás daquela acção.

Conta o estado de consciência em que o acto é feito e não o acto em si. O acto pode ser oferecer uma caixa de lápis de cor a uma criança. Do ponto de vista da consciência mais avançada não conta se é uma caixa ou uma loja inteira de lápis de cor, conta o ponto de consciência em que o acto é feito. Isto parece-nos óbvio mas muitas vezes ficamos hipnotizados pela natureza do acto e não conseguimos perceber, a nossa motivação mais profunda e o que chega aos reinos superiores não é a mecânica do acto, e realmente a minha intenção e a qualidade das forças e das energias que eu pus em movimento, porque ao dar uma caixa de lápis de cor posso estar a aprisionar uma criança no meu corpo astral. Um acto pode conter uma mensagem subtil de aprisionar uma criança no meu campo de atracção emocional e os mesmos lápis de cor podem conter a vibração oposta.

A natureza física vital de um acto é registada naquilo a que se chama o “carma material”, a natureza psíquica astral de um acto é registada naquilo a que se chama “carma astral” e a motivação consciente que está por de trás de uma acção fica registado no nível do “carma mental”.

Toda a nossa acção contém uma natureza material, uma natureza emocional e uma natureza mental e estes carmas não se confundem.

O mecanismo que registra os atos que praticamos em vida é a tela, a esfera a que se chama “registos akashicos”. Akash é um termo Sânscrito para memória invisível e significa uma piscina de informação indestrutível, perfeitamente organizada, e que regista, com uma imensa base de dados, a qualidade de cada acção no seu próprio plano, o que significa que nós estamos sempre a escrever 7 livros simultaneamente: um livro físico – e os nossos actos meramente físicos (carma físico que é o mais fácil de limpar). Nós estamos sempre escrevendo um livro que é constituído por todo o nosso carma físico vital e esse nível de vibração é independente do outro livro onde nós estamos sempre escrevendo o nosso carma emocional (a nossa vida de emoção e a natureza real das nossas emoções) em que grau é que nós optamos por ser conscientes das nossas emoções, em que grau é que a nossa luz antecipa as nossas emoções (quando a luz antecipa a emoção ela dissolve a emoção antes que ela se forme) quando o grau luz de um ser foi dinamizado de uma forma suficiente, a luz dele antecipa-se à emoção, quando a emoção emerge encontra um terreno de luz trabalhada. O mesmo para o pensamento, ele tem que emergir num campo de luz.

A natureza profunda de um acto (tem os 7 níveis do ser registados nos 7 níveis do plano akáshico), essa memória invisível que é composta por um tipo de fixação de luz muito específico, envolve esferas de consciência.

Existe um registo akáshico para o corpo físico onde estão registados todos os actos físicos que esta alma manifestou. Existe um registo akáshico para o corpo emocional, outro para o corpo mental, outro para o nível intuitivo e um registo akáshico de uma muito alta vibração para o nível da alma.

Existe um registo akáshico para o nível espiritual, para o nível monádico e até mesmo uma história do avatar que tu estás destinado a ser um dia.

O Universo está saturado de memória divina, nenhum acto se perde, tudo tem um peso. Os carmas são estratificados pelos níveis em que a “coisa” é manifestada. Eu posso dar um estalo numa pessoa e aquilo nos planos internos é luz, porque a pessoa pode estar estérica num momento de pânico, é necessário evacuação rápida, esse estalo é uma forma de cortar o sistema nervoso para ela sair do pânico em segundos dando-lhe a possibilidade de ela começar a descer as escadas. Esse estalo não contém carma físico porque a intenção consciente é positiva.

Quando se trabalha com o pentagrama sempre se observa que em tudo tendemos para um elemento: ou os nossos actos estão saturados de mecânica física; ou de vibração astral; ou de mente; ou de éter; ou de fogo. É muito raro um acto ser completamente cristalino. Cristalino é o acto que emerge da consciência completamente estabilizada no centro da estrela. Este acto que não contém carma e que interrompe a esfera psíquica terrestre e introduz uma vibração superior é extremamente raro.

O registo em si, a estrutura do acto fica retido nos registos akáshicos, mas quando o indivíduo desencarna, os 5, 6 átomos semente que compõem o poder da mónada se manifestar… (a nossa centelha não tem como inter agir com a Terra directamente, ela elabora vórtices de atracção de vibração para cada nível em que ela se quer exprimir). O átomo-semente é o foco da mónada no plano em que ela quer agir, ela dispara um laser até ao plano físico e aí começa a produzir um efeito atractor sobre substância física, ela dispara outro feixe de intenção pura no plano astral e vai chamando todos os elementais astrais que têm a ver com a vibração dela. A natureza da energia dos nossos actos, a força que nós desequilibrámos ou a energia que, de alguma forma a nossa luz já pôs em movimento na Terra, estes actos positivos/negativos ficam registados nos átomos-semente.

Então há dois mecanismos de registo: a esfera akáshica que fotografa as acções dos 7 planos – é isto a que se chama o livro da vida e cada um de nós tem um livro da vida sétuplo. A vida é uma ópera, um acto é muito mais complexo, eu preciso trabalhar profundamente a intenção antes do acto para que ele emerja como uma flor no orvalho. Este acto é completamente puro porque foi elaborado noutro nível, a pessoa checou o seu emocional, purificou, amainou, harmonizou o seu mental, a pessoa orou até que o acto fosse de uma semente mais alta.

Mas se eu for fazer isso tudo para cada acto eu não faço nada! Justamente, é que é muito melhor não fazer nada! Se eu percebesse o quanto eu contamino deste cristal que é a esfera terrestre só por viver como um rinoceronte, eu não me mexia, ou melhor, eu aspirava à suprema espontaneidade, que é espontaneidade da luz, lá em cima, no nível real, e se tu aspiras a que todos os actos sejam qualificados por essa raiz indestrutível da árvore do teu ser, então o fruto só pode ser como o cântico da montanha. O servidor cuida de raiz não de fruto porque o fruto é a coisa mais garantida quando se cuida da raiz.

Este registo akáshico regista a intenção do acto e isto forma os 7 livros cármicos do teu ser que vão de carma terrestre de causa e efeito até aquilo a que se chama a lei do desígnio (leis que regem o nível monádico). A mónada é portadora de uma insígnia de fogo, ela veio à Terra para fazer um desenho de fogo e isto é o carma dela, é algo muito alto a que temos pouco acesso. O teu desígnio marca o carma monádico, trata-se do “trabalho do Senhor”.

Além da esfera akáshica que regista a qualidade da intenção de um acto, os átomos-semente registam a energia que tu pões em movimento, o grau de desconexão ou conexão com a Fonte.

Estes átomos semente são como uma pilha, registam voltagem. Nós temos um átomo-semente para o plano físico que contém a carga vibratória de toda a nossa vida física até hoje, temos um átomo-semente para o emocional que contém a síntese de toda a vibração emocional de um ser (força/energia) e um átomo-semente mental que contém a síntese do pensamento de um ser e isto é tremendamente atractor, nós somos bombas relógio triplas.

A bomba relógio física, que naquele dia, exactamente àquela hora, faz com que a doença do corpo se vá embora. Assim como a bomba relógio física atraiu a desarmonia, ela também contém o carma positivo daquele corpo físico e, naquele momento, ela pode começar o processo de limpeza do corpo físico, porque os átomos-semente são perfurantes, entram num plano e são atraentes, são hímens.

Então, o teu átomo-semente emocional está sempre trazendo para a tua experiência de sentimento um pacto emocional – não se vive sem emoções. O átomo-semente astral está sempre atraindo o material correspondente à tua média vibratória. É muito pouco provável que vocês se vejam numa reunião da máfia, não é impossível, mas é pouco provável, porque não existe, nos nossos átomos-semente, como atrair essa situação, ela até pode passar ao teu lado mas tu não tens sistema de engate daquele cenário vibratório. Com o mental a mesma coisa.

Raramente se fala dos átomos-semente: mental superior; intuitivo ou búdico e espiritual. Eles são os “Tesouros no Céu” a que Jesus se referia quando dizia: “acumulai tesouros no céu” ou seja “coloquem vibração nesses átomos-semente”, “coloquem energia nesses reservatórios de força”, “aprendam a trabalhar com a memória superior do Universo”.

Um acto físico, um acto emocional e um acto mental sempre satura o plano akáshico e os átomos-semente da personalidade. Nós andamos pesados de carma.

Há impactos emocionais e mentais positivos e negativos entre as pessoas, isto é a vida humana e acumular tesouros na Terra é, no fundo, saturar estes átomos-semente com informação e quanto mais um acto é feito com o indivíduo identificado com o plano, mais quilo fica cheio de vibração, isto é, se eu como para não morrer eu crio carma físico; se eu como porque me é indiferente eu já crio outro tipo de carma e se eu como por glória à Criação já não tem nada a ver com aparelho digestivo o que está ali a acontecer.

Estes 3 átomos-semente superiores: mental superior: intuitivo e espiritual formam um triângulo acima da alma e são como reservatórios de força. A vibração do átomo-semente espiritual apaga carma mental, a vibração do átomo-semente intuitivo apaga carma astral e a vibração do átomo-semente mental superior apaga carma físico.

Estes reservatórios que temos dentro de nós são autênticas baterias de vibração, simplesmente estão quase a zero no homem comum. O homem comum satura os atractores físico, emocional e mental porque: ele vive comendo para não morrer; as pessoas dizem que amam o outro para não estarem sozinhas, as pessoas chamam amor a uma gigantesca carência emocional; as pessoas usam a mente para criar barreiras uns entre os outros, isto cria carma mental.

A activação destas 3 baterias superiores faz-se através do triângulo ascendente que é: Adoração; Entrega; Discernimento. São os 3 Raios em ascensão.

O 1º Raio quando desce é destrutivo, quando sobe é adurante. Esta vibração monádica que desce é destrutiva e libertadora, é supremamente inspiradora.

Quando a vibração do 1º Raio vem do deus imanente, via Shakti/kundalini, actuando através dos chacras despertos e numa actitude de axialidade para com o mistério da criação, quando isto sobe chama-se Adoração e é o mesmo Raio.

O indivíduo transmuta carma mental através da adoração.

Há este triângulo de atractores espirituais superiores e há o triângulo inferior de atractores. O triângulo de átomos superiores (átomos no sentido de núcleos indivisíveis, pontos de aplicação da energia monádica) são: o átomo-semente espiritual (está no plano espiritual); o átomo-semente intuitivo (está no plano intuitivo); o átomo-semente mental superior (que não é o intelecto, ainda que não o exclua, mas é outra vibração). Este triângulo significa a vida da mónada nestes 3 níveis.

A mónada, enquanto o indivíduo não está pronto, é muito delicada, ela é o reino dos céus. A centelha divina é intangível em nós e a vida dela no plano espiritual é o átomo-permanente espiritual, a vida dela no plano intuitivo é o átomo-permanente intuitivo e a vida dela no plano mental superior é o átomo-permanente mental superior. Estes 3 átomos contêm as antíteses dos átomos cármicos.

Através do colocar energia: no átomo espiritual o carma mental é desfeito; no intuitivo é desfeito o carma astral; no mental superior o carma físico é desfeito.

A adoração pura activa e preenche vibração no átomo espiritual permanente, dissolve carma do átomo mental (pondo energia no reservatório do átomo espiritual permanente).

A entrega, o abandono de si nos braços do divino coloca energia no átomo intuitivo permanente e dissolve carma emocional (aperfeiçoando a entrega).

Como é que eu energizo o átomo mental superior que dissolve carma físico? Através do discernimento. É quando eu vivo criando fronteiras (tudo é um e um dia o indivíduo é acordado para a lei do dois para perceber que ele só tem direito à lei do UM quando tiver dominado a lei do dois).

A lei do UM é o caminho breve – revelatória, transfiguradora. A lei do dois é o caminho longo – psicológica e gradual. Ambas são essenciais para a cura e revelação total do ser.

Neste contexto o Discernimento aceita a lei do dois, enquanto que a Adoração e a Entrega profunda lidam com a lei do Um. O Discernimento aceita a dualidade e portanto estabelece fronteiras, limites, compassos, processos.

O discernimento consiste em separar o trigo do joio e quando eu faço isto e saio da lei do UM é que eu curo carma físico etérico porque quase todas as nossas acções têm base em algum estado mental ou carência de discernimento. Todo o acto que contém discernimento acontece num circuito não cármico ou num circuito superior.

Discernir as nossas motivações, a intensidade certa a aplicar numa situação, a palavra certa, não ofender – nós trazemos uma longa cultura de defesa e ataque, de ofensa e bálsamo. O indivíduo necessita de encontrar esta solenidade do não ofender, isto tem muito a ver com o terminar com o carma físico. Eu tenho que pensar até que ponto é que eu ofendo com os meus actos, isto é discernimento, é encontrar a forma de ser que não ofende. Isto é uma chave importante do ponto de vista das iniciações.

Ex: Quando tu dizes um palavrão, usas gíria, calão, tu podes não estar a ofender ninguém porque estão todos a usar a mesma gíria, mas tu ofendes o teu ser psíquico. Cada vez que te tratas mal a ti mesmo, estás a criar carma físico, cada vez que tu não te amas, estás a não ter discernimento porque para o Universo não conta quem é que tu estás a magoar.

O homem comum (que não se observa a si próprio) toda a força de vida vinda de dentro, toda a energia prânica que ele absorve da natureza, toda a energia de cura, regra geral, é consumida identificando-se com o físico, o emocional e o mental e portanto, fortalecendo os 3 reservatórios (o carma dos átomos físico, o emocional e o mental) e agora nós temos este triângulo ascendente composto por Adoração, Entrega (construção gradual de uma consciência que o divino está ali o tempo todo) renovada diariamente, isto significa colocar vibração no átomo permanente intuitivo, isso apaga carma emocional. Adorar ao divino apaga carma mental e discernir entre a luz e a menor luz apaga carma físico.

A antiga ideia é que o ser está na Terra para aprender lições, isso é verdadeiro até o ser sintetizar a realidade do poder de resgate que estas 3 forças têm quando são endereçadas para cima, e o poder de desenraizamento do carma terrestre que isto tem, o carma desfaz-se como espuma.

Todo o acto de adoração, desde o fundo dos tempos, fica registado no átomo permanente. Na adoração dá-se uma acção retroactiva da luz da mónada sobre as sementes do pensamento, isto é, quando um indivíduo adora, a mente é purificada.

A nossa mente tem uns 3000 sementes de pensamento que nós não controlamos. São núcleos de pensamento tão rápidos que operam no semi consciente, que quando chegam ao consciente já fizeram estragos e o indivíduo está cravado com estes dardozinhos que são todo o carma mental dele.

Pela acção da adoração eu abro as comportas do meu ser – é a condição para que o nosso carma seja revisto – as comportas abrem-se e a energia do teu centro pode descer à mente e libertar a vida mental desses torvelinhos.

Não há nada mais rápido para curar uma neurose do que a adoração, o problema é que o neurótico não adora há muito tempo, então a vida tornou-se para ele um circuito fechado de forças.

Se eu compreendo o quão eu estarei junto ao meu filho no momento em que ele precisa de mim, como é que eu não compreendo o quão o Pai Cósmico está junto de mim quando eu preciso dele?

Quando isto é vivido transmuta carma emocional.

O carma físico etérico vital precisa de discernimento, de clivagens, de organização interior, de selecção, de um pensamento límpido, mas eu tenho que amar a verdade para além do conforto.

Hoje temos esta balança: conforto de um lado, verdade do outro. A verdade hoje não é confortável, se eu amo mais o conforto do que a verdade eu não vou discernir e se eu não discernir vou acumular mais carma físico.

O sangue é a substância do corpo (juntamente com o sémen e o material cerebral e dos ovários) mais próximo do ser interno. A quantidade de ferro que temos no sangue tem sido usado para fixar o magnetismo da alma nos órgãos e o sangue tem uma contraparte subtil extremamente poderosa, é uma energia, é um alimento e capta o 3º Raio da mónada.

Sempre que se observa calor e movimento estamos na presença da Mãe divina. O 3º Raio da mónada, exprimindo-se através do cóccix, é a embaixada da Mãe divina. O sangue é um dos instrumentos fundamentais da Mãe divina, através dele todo o nosso corpo é energizado. De facto, o sangue, na sua contraparte subtil, o plasma e o seu nível luminoso contém o nome cósmico do indivíduo. O sangue é um elemental líquido vivo.

Se existe este culto afro/brasileiro para Emanjá que consegue perceber o grande elemental do oceano como uma figura feminina virginal, então o nosso sangue é uma Emanjá local.

Este código do sangue é subtil, não está no plano físico. Quando se observa ao microscópio, os cristais de sangue seco sempre se organizam em estrela de David, o que nos diz muito sobre o mistério do sangue como um fixador do alento da alma trazido para o plano físico. O sangue é uma belíssima intercepção entre o mundo natural ascendendo e o mundo cósmico superior espiritual energizando.

Um bebé contém, até algumas semanas após o nascimento, principalmente o sangue da mãe, tanto assim que o seu sistema imunológico, até mais ou menos os 3 anos éo sistema imunológico da mãe.

Essa requalificação do sangue começa a partir de uma certa idade, em que material vibratório da mãe começa a ser queimado e material vibratório do ser interno, via átomo-semente físico, começa a energizar o sangue.

Como o sangue tem um poder enorme de dar vida, quando ele é derramado em nome da negação da vida, o poder vital do sangue é invertido. O sangue é um concentrado de vida mas não contém registo cármico. Como ele é produzido a partir do átomo-semente físico etérico (porque isso é o ponto em que nós deixámos a vida física na última encarnação, isso forma a vibração do átomo-semente físico etérico. Se eu fui um atleta há elevada probabilidade de eu desenvolver o corpo na vida seguinte), quando o sangue é construído, ele contém a síntese do sangue da vida anterior e portanto, ele revela carma e é passível de ficar sob o carma, daí a leucemia, etc., mas ele não contém o carma em si mesmo.

A autópsia é um excesso de controle. Numa sociedade profundamente criminal como a nossa, a autópsia, em algumas circunstâncias, é defensável. Após 48 horas do ser desencarnar, se ele desencarnou bem, ele não está mais ali, então a autópsia não é problema.

A informação cármica é recolhida nos átomos-semente e é trazida para cima juntamente com a consciência que ascende através do sutratman que contém, na ponta, os átomos-semente.

Quando um ser doa sangue, ele não está a doar o lado oculto do sangue, está a doar o lado físico etérico porque o lado oculto não circula nas veias, circula nos nadis e nos corpos astral e mental. A informação do sangue fica em ti, tu só doas a base e esse substracto biológico ao ser doado, recebe o lado oculto do outro ser, se a doação é feita por um acto de amor, porque o amor é mesmo um milagre nestes níveis. O amor faz o milagre de suspender a lei da ligação da informação oculta do sangue e a sua base bioquímica

Com a doação de órgãos é mais complexo. Quando um órgão adoece de uma forma irrecuperável, está a ser passada uma mensagem muito séria ao paciente e observam-se rejeições depois dos transplantes. Isso significa que o transplante foi feito com base na mente clínica, fora da lei cósmica, porque o outro ser só pode aceitar um órgão doado se ele se transformou, se ele ouviu a mensagem, se ele não ouviu a mensagem, a alma repele o órgão doado.

Uma coisa é o sangue, é um recurso, é uma troca de energia, é como um abraço biológico, agora, um órgão é diferente, significa que há uma mensagem extremamente exacta e clara para aquele ser e o problema não está no que doa, mas no que recebe. Se ele não vive a transformação proposta, ele não tem campo vibratório para receber o órgão, então actuou a ciência médica e o órgão é rejeitado.

A doação de órgãos implica um profundo acordo (amor) entre as duas almas. Implica que o doador esteja consciente da vida da alma. Se o doador é transparente o suficiente ele pode doar, senão aquela boa vontade pode não ser o suficiente para a lei cósmica se sobrepor à lei material e o que recebe tem que também saber viver a transformação porque senão, mesmo que o doador esteja com a vibração certa, ele não tem campo para receber aquele órgão e é rejeitado.

Os clones são um projecto de extraterrestres involutivos que se infiltraram na Terra.

Os clones são uma tentativa de criar um substracto biológico capaz de receber seres cujas almas têm uma evolução muito alheia à evolução terrestre. No entanto, haverá sempre surpresas porque a lei cósmica é maravilhosa, ela pode perfeitamente, num clone, fazer descer “uma coisa” muitíssimo evoluída mas isso é excepção. Os clones surgem na mesma linha da hibridação.

Desde os anos 40 que grupos de extraterrestres que não são positivos (que não estão ligados com a luz integral, privilegiaram certos raios e anularam outros) eles são tecno tecno – 5º Raio, 5º sub Raio – e desenvolveram toda uma forma de existir que não estava prevista no Universo, tanto assim que a civilização deles é totalmente clonada. As funções procriativas retrocederam, a sexualidade foi anulada, a líbido desapareceu e como consequência o corpo astral mirra e assim a alma não tem contacto com o plano tridimensional, eles foram perdendo qualidades emocionais e hoje são essencialmente poderosíssimas mentes que estão vivendo com corpos extremamente frágeis num beco sem saída do ponto de vista da evolução cósmica.

Desde os anos 50 que esses grupos utilizaram as portas abertas pela Confederação Intergaláctica para começar a ajudar a Terra e infiltraram-se na aura terrestre tentando hibridar-se com os terrestres.

O que eles têm tentado fazer, com sucesso, é utilizar material genético yang (masculino, sémen) e células, óvulos de jovens (geralmente são casais), eles estão usando úteros para produzir hibridação, isto é, para produzir seres com material genético terrestre e material genético extraterrestre. Isto é feito à margem da lei cósmica.

Estes híbridos têm sido acumulados a bordo de naves extraterrestres negativas e em bases subterrâneas. Eles não entendem nada das leis da vida apenas compreendem de manipulação genética.

A nível da álgebra, do pensamento abstracto, são todos génios, não têm poder reprodutivo e o nome que se dá no exército americano é: “grey” os cinzentos e estão ligados à região de “Zeta reticulai”. São mentes muito poderosas cujo veículo emocional fechou.

A Confederação Intergaláctica e o Conselho guiado por Metraton permitiu que eles entrassem para que, por proximidade com as emoções terrestres, eles possam adquirir pulsação emocional.

Eles pensam que vêm fazer uma experiência genética connosco, mas do ponto de vista arcangélico, eles estão a fazer contacto com o plano astral outra vez, senão o Conselho celeste ligado a Metraton/Michael jamais permitiria a entrada deles.

O processo de clonagem é um processo de gerar veículos fora da lei cósmica. Do ponto de vista esotérico não está muito longe dos campos de amor nazis em que jovens eram convidados a ter relações sexuais para produzir mais exemplares da “raça pura”.

Este trabalho é completamente negativo e é muito pouco provável que uma energia superior se possa manifestar através dum corpo clonado.

Os glaciares éticos que se levantam neste processo são ainda muito altos, é pouco provável que às claras a ciência faça clones (a nível secreto já fez) tendo que sofrer o impacto da opinião pública é pouco provável, porque a topografia ética é gigantesca.

Quanto à criação de órgãos clonados, o problema é que não existe um órgão, o fígado não existe, existe órgão no qual se encontra uma função que é traduzida fisicamente pelo fígado. A matriz atrai e constrói o modelo perfeito para a espécie humana e o Adão Cadman é todo em luz ele vai ganhando funções e compartimentações à medida que a força geradora do Adão Cadman se vai aproximando da manifestação.

Na verdade, o cérebro existe como ponto de apoio para a mente porque a mente pré existe ao cérebro. Ao tentar-se criar apenas um órgão está a ser descuidado o campo etérico integral e a realidade holística do corpo, portanto, é muito pouco provável que por um processo de multiplicação celular em laboratório se consiga criar um fígado completamente saudável, é um fígado de aviário. A impressão intuitiva, em termos de vida, é de uma coisa “cinzenta”, a curva de vida é muito curta, a menos que haja uma dispensação especial que permita a assistência de devas ligados ao corpo humano (devas vermelhos) e anjos, haja um momento em que o órgão possa ser criado, mas esta possibilidade é extrema.

A vontade espiritual reflecte-se na pineal, a intuição reflecte-se na hipófise e a coordenação que a alma imprime sobre nós reflecte-se no centro alta maior, na nuca.

Há um ponto em que a tríade espiritual ancora no corpo físico: pineal – 1º Raio; Hipófise – 2º Raio; alta maior/cóccix – 3º Raio.

Estes veículos superiores de força são os “tesouros no céu” quando eu opero dentro deste triângulo, estou a acumular tesouros no céu.

A Ascensão é quando os 3 átomos-semente superiores atingem uma voltagem tal que incendeiam as membranas entre os níveis em nós. São como cristais que vão acumulando força dentro de nós e, sempre que eu orei (desde a caverna), eu transmiti energia para o átomo espiritual permanente e sempre que eu me entreguei, que permiti o amor conduzir-me, eu acumulei energia no átomo intuitivo permanente e sempre que eu discerni acumulei energia no átomo mental superior permanente.

A partir de um certo grau de voltagem o triângulo interno incendeia-se – corpo de luz.

O corpo de luz é o resultado da ruptura da voltagem das 3 baterias de acumulação secretas e quando insto acontece fala-se em Ascensão.

Por André Louro de Almeida            02/02/2001

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites