Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Perguntas:Sobre Gatos. Orgão Vital. Diabo. Evolução. Clonagem

P: Resumo do assunto em análise.

R: Todos nós somos seres de transição. A mudança que se observa à superfície da civilização, é um facto reflexo, à superfície, de um cataclismo de fundo que está a acontecer a níveis profundos desta civilização, são a ressonância, no plano socio-económico, cultural, bacteriológico, científico, comportamental, duma comutação de polarização da humanidade. O verdadeiro facto de rotura não acontece à superfície. A humanidade como um todo está a passar por uma comutação de polaridade, ela deixou de estar polarizada no plano mental, está rapidamente a deixar de estar polarizada no plano intuitivo, e está a começar a responder à vibração do espírito.

Os seres humanos não estão mais interessados em articulação ideológica, não estão mais interessados na paleta dos sentimentos disponíveis para o nosso corpo astral, nem em nenhum tipo de conquista física - é fácil, conquistar a Amazónia já está, mas em 40 anos destruímos um terço de uma coisa que levou sessenta milhões de anos a fazer! Essa grande entidade do qual nós somos uma fulgurância à superfície, mudou de polarização, ela está começando a procurar significado, signo e fogo. Significado, tem a ver com o mental superior, signo, tem a ver com o plano causal, e fogo, com o plano espiritual.

A entidade que existe a níveis profundos deste planeta, está a fazer uma acumulação psíquica de uma nova inspiração, que não é mais a inspiração religiosa, científica, dos mestres ou da experiência empírica, a humanidade está cansada e está-se preparando para dar um grande salto, para ousar. À medida que a tensão a níveis profundos do planeta aumenta, e que a humanidade enfrenta um portal iniciático, sectores da humanidade vão passar por especializações, acelerações, refinamentos, purificações, organização do seu potencial profundo.

O que estamos tentando fazer nestes encontros, não é o trabalho real mas sim, passar para um nível consciente o terramoto filosófico, gnoseológico e estrutural que está a acontecer no planeta, de forma que nos vamos aproximando do epicentro que é um facto de fogo, de revelação e de luz pura e nos vamos transformando em seres termicamente activos, do ponto de vista espiritual.

Para que uma civilização tão refinadamente quadrada como a nossa - a unidade básica de construção desta civilização é o tijolo - já esteja a acusar todas estas mudanças, imagina o que é que vem de lá de baixo até cá acima! Que tipo de galopa é que vamos ter que enfrentar nos próximos anos!

Se uma coisa que é completamente refractária à mudança (sistemas económicos, educacionais comportamentais, médicos), está a receber abalos sistematicamente e a ser visitado por um grau de imprevisibilidade altíssimo, que é a dimensão três e meio, imagina que potência é que está a vir para se revelar!

Quando se fala de corpo de luz, está-se a falar da ligação do ser individual às entidades que detêm o poder e o fogo revelador, transformador, neste planeta. São essas entidades que seguram as sete ou oito grandes forças mundiais e não as podem largar, porque seria o colapso, nem podem permitir que elas continuem indefinidamente fazendo o banquete que fazem, porque também seria o colapso.

A Hierarquia está num ponto de crise neste momento, no bom sentido, e o homem está a chegar à sua crise. Finalmente temos uma humanidade em crise, até que enfim! Já era tempo! Esta crise é o início da solução, e nós estamos a apetrechar-nos gradualmente, com a consciência de como é que encontramos o melhor ângulo em relação ao fogo que vai produzir as mudanças, até que se dê a fundação do planeta de 4ª dimensão.

Esta crise estava prevista há milênios, as soluções estão prontas, a energia paira no éter. O éter está fecundado com uma potência completamente nova. O reino mineral, vegetal e algumas espécies do reino animal, já captaram, e já estão passando para essa nova frequência. Se as estruturas da velha Terra não abanam, a nova Terra não se instala.

O ponto de cada um de nós perante esta transformação é facilmente verificável se, perante este dado, eu me sinto liberto ou me sinto sufocado. Se eu me sinto sufocado com a afirmação que esta civilização está passando por uma transmutação integral, e que a minha personalidade está passando pela mesma transmutação, é que eu vou mesmo passar por ela. Se eu sinto sufoco e libertação ao mesmo tempo, eu já estou a meio do caminho. Se tu só vês a libertação que isto implica, significa que estás bem próximo do grau luz que te corresponde e que deves ancorar nesta encarnação.

O que fazemos nestes encontros é um trabalho preparatório - não é o trabalho mais profundo -, tangencial à vibração transformadora.

Pelo amor aos princípios, às causas, às origens, pelo desenvolver a capacidade térmica e não mental de extrair energia, e força e preenchimento interior desses princípios, dessas leis, dessas origens e da presença donde emanam, tu fazes contacto com a alma. É pelo amor àquilo que nos sustenta, que está por detrás da nossa existência, por amor à fonte de vitalidade, visão, horizonte superior, que nós fazemos contacto com a alma, e à medida que isso acontece, as qualidades da alma brotam espontaneamente da personalidade.

Se a alma não SERVE, ela sente-se frustrada. Uma alma frustrada é uma alma que está carregada de luz, porque é uma alma que tem poderes de contemplação, está saturada de energia luminosa mas a personalidade não gera um canal que permita que essa luz chegue aos seres humanos, isto produz um nível de frustração muito profundo na nossa alma.

P: Sobre gatos

R: As pessoas percebem que os gatos têm um grau de transporte de aura entre dimensões e interrogam-se sobre o que é que se passa afinal com os gatos.

Os gatos são animais psíquicos e em muitos aspectos, são animais mediúnicos, isto é, eles têm antenas na horizontal, donde que, é natural que os gatos às vezes se sintam confortáveis e outras desconfortáveis. Os gatos têm abertura para planos paralelos ao plano onde nós somos conscientes. Eles são psíquicos e mediúnicos, captam cargas emocionais fortes e presenças astrais razoavelmente intensas. Agora, o mais interessante no gato é que quando tu estás mal ele aproxima-se de ti, enrosca-se em ti e fica ali e daí a bocado, sem tu saberes porquê, vai-se embora.

(por concluir)

P: Como controlar o órgão vital de uma pessoa com a nossa energia? Como se faz para controlar a nossa energia ao nível de uma pessoa que esteja ao pé de nós?

R: É possível em três níveis, magia branca, magia negra, e magia cinzenta. Pondo de parte estas manipulações de energia, conhecidas por magia e que são heranças da Atlântida, nós temos que nos perguntar qual é o interesse de controlar o órgão vital de uma pessoa?

A proximidade física entre dois seres humanos, actualmente, tem três funções: cármica, dharmica e serviço. A nível cármico, os seres encontram-se para trocar contas pendentes do passado e não vamos falar mais sobre isso.

A nível dharmico, os seres encontram-se para não confirmar forças do passado, mas para criarem juntos "o novo", eles encontram-se e têm claramente duas mesas: a mesa cármica, com aquele banquete; e a mesa dharmica, com som, cor, movimento, criatividade, geração do amor. Se mantêm o regime dharmico, não entram no regime cármico. Agora, se tu tens tempo, espaço, reflexão para poderes decidir e perceber se é possível transitar do nível cármico para o dharmico, que é o nível de vocação entre duas almas, entre dois eus conscientes, o dharma é a troca do melhor entre seres humanos e é também o princípio da ancoragem de uma energia não material na Terra (diz respeito aos talentos, aos dons e às qualidades. Uma relação entre a Maria João Pires e um flautista de Berlim é uma relação dharmica). Se não confirmas o fenómeno cármico e passas para a relação dharmica, as trocas energéticas são outras completamente diferentes.

E se eu fico no nível dharmico o mínimo possível até entrar no patamar do serviço, - já não tem importância se tu és tu e o outro é o outro, isto é, tem importância sempre que voltam à necessidade de saber quem são, mas quando superaram essa necessidade, (isto implica um longo e profundo trabalho ao nível do auto conhecimento) há um momento em que tu te conheces o suficiente para poder dizer: "eu não estou mais interessado em trazer memórias lá de trás, eu estou a deixar o meu passado afastar-se de mim" - tu entras então no serviço, e aqui as relações energéticas são outras completamente diferentes.

Este ser que está a ser preparado para ancorar novas energias e simultaneamente fornecer a estrutura invisível da nova civilização, e essa estrutura invisível é composta por vibração, por transmissão de fogo puro, não é para ser preenchida por nenhum material terrestre e enquanto os Mestres a não preencherem, nós temos que fornecer fogo, estrutura ígnea, uma relação perfeitamente paralela entre todos nós ao nível do fogo.

Este ser deverá poder distinguir, em segundos, a vibração cármica, dharmica e de serviço e quando está frente a um ser, perceber quais são as forças que estão ali à frente dele e poder dizer: não, sim, sim, talvez, não, SIM. Trata-se de tu te tornares um seleccionador de fogos, um aglutinador de fogos e um condutor de fogos. A partir do final do milénio, a palavra NÂO, a palavra SIM e as expressões NÃO SEI e SEI, vão ter uma importância altíssima, porque o fogo vai ser solto e as relações entre os seres humanos vão ser cada vez mais trocas de factos e não trocas de ideias. Estas expressões SIM, NÂO, são sinaleiros do fogo e cada vez mais tu precisas de gerir voltagens de fogo altas.

Já repararam como os seres humanos estão hiper sensíveis, hiper sofisticados, hiper reactivos? Nada escapa a um ser humano do final do milénio, as antenas estão todas abertas, está toda a gente a ficar psíquica! Há 5 minutos atrás as pessoas escondiam os livros de espiritualidade debaixo da cama e hoje já há livros a mais! Toda a gente tem a capacidade de curar, de contactar, toda a gente ... tudo! Então, isto significa que nós estamos com antenas muito amplas!

Perante a qualidade deste ser, nenhuma flor vai passar despercebida, tu sintetizas a flor dentro de ti e toda a gente apanha, tu nem precisas mais de te preocupar para onde é que vão as flores, tu libertas as flores do teu ser e elas vão por aí, fazer o que têm a fazer. Isto é o oposto da magia branca, da magia negra e da magia cinzenta, alguns seres gostam de chamar a isto "magia de luz". Esta transmissão é essencial nos próximos momentos planetários, cada vez mais os seres humanos precisam receber diariamente essa flor, essa certeza de que a luz existe, está activa.

A energia das pessoas que estão à nossa volta não é controlada, não é dominada, nem sequer precisa de ser conscientizada como algo que se tem de controlar, o que eu tenho de controlar é a minha energia, o que eu emito. Se o que eu emito é correcto, eu vou activar mais correcto no ser que está ao meu lado. Porque se pode fazer a pergunta inversa: "porque é que tens uma pessoa ao teu lado cuja energia te incomoda? É porque há algo em ti que permanece fazendo uma polaridade com aquele ser ao teu lado. Então, eu subo de energia e tudo o que está a baixo do nível de energia estabilizado não mais te incomoda, tu passas da defesa para a compaixão, passas da defesa para o envolver o ser em luz. Não é um trabalho de defesa, mas de ataque.


P: O que é o diabo?

R: Esta palavra é um poliedro com muitas faces e nós precisaríamos de ir desmontando estas faces todas, para irmos desmontando a palavra até ficarmos com o que é real. Num sentido etimológico, diabo tem a ver com o grego "diabolus" que é aquilo que vem no sentido contrário. Então, desta palavra "diabolus", podem-se fazer muitas palavras com sentidos positivos, para quem saiba grego, e libertamo-nos da palavra.

Obviamente as representações que existem desta personagem, nascem de uma reacção da igreja católica. As representações do diabo - algumas bastante interessantes - são todas uma tentativa de o relacionar com o deus Pan da antiga Grécia. Este deus era aquele ser bastante musical, saltitante, profundamente erótico e responsável pela activação das forças da natureza na mitologia grega e tinha tudo o que o diabo tem. O que aconteceu, foi que uma nova tentativa de hegemonia religiosa precisava de ter um "bode" expiatório e havia um fantástico, que era o deus Pan, e a partir daí, o mal e o deus Pan passaram a estar associados. Todas as representações do diabo como um ser com barba, com ... é um pormenor iconográfico da evolução do processo de separação do pensamento católico em relação aos paganismos todos, essencialmente helénicos, mediterrânicos.

Há dois níveis do tipo de carga que as pessoas pretendem representar com a palavra diabo. Há um nível microcósmico e outro macrocósmico. Esta força contrária em ti, está directamente relacionada com o que se denomina "sombra". Todas as experiências, todas as tendências, todos os pensamentos que tu consideras que não são moralmente aceites, são reprimidas e vão parar numa espécie de reservatório. Se tu permaneces firmemente na direcção da luz, uma boa parte da potência desse reservatório é transmutado pelo poder da alma. A alma é que tem capacidade de ir abrindo a panela de pressão, e ir fazendo escapar o vapor desse processo de selecção contínua de forças, ao qual o ser humano comum é submetido. Agora, esta sombra é também um conjunto de tendências hereditárias e de comportamentos compulsivos e automáticos, que não são teus, e que estão ali para funcionar como ponto de apoio da construção de uma consciência espiritual. Os primeiros processos do desenvolvimento de um ser no campo espiritual.

Quando tu sobes uma escada, tu afundas o pé se os degraus não forem sólidos. Para que possas chegar a um patamar luminoso, mais alto, a Hierarquia precisa apresentar dentro de ti - portanto, microcosmicamente - um painel daquilo que tu precisas de negar, para chegar a esse ponto mais alto. O diabo é uma personificação popular de um conjunto de fórmulas que precisam ser negadas, por um ser em processo de ascensão luminoso. Esta vibração aglutina tudo o que te foi passado como útil de negar, é como se a evolução fosse composta por um eixo, cujo término inferior mergulha na matéria e o término superior mergulha na luz pura do espírito e em torno desse eixo, existe um anel que equivale à tua consciência e que se desloca ao longo do eixo. Do ponto de vista microcósmico, o mal é toda a porção do eixo que tu já percorreste. À medida que o anel da tua consciência se vai deslocando para cima, e a tua compreensão do que é real ou irreal aumenta, a porção do eixo que deixaste para trás é comparável ao mal, um grau de mal a nível microcósmico. Há vários graus de mal. Então tu vais deixando para trás e isso é toda uma coluna de experiência vivida, síntese feita, trocas realizadas e vivências na luz ou na sombra, mas é o que tu foste deixando para trás, e o bem ou a luz é tudo o que está para a frente do anel de consciência. Isto significa porque é que é possível definir o presente e o mal de uma forma tão exactas. O mal é o que está do presente para trás, ele é tudo o que não é actual para ti. Não te trás nada de novo e não contém o potencial libertador.

O que foi ontem um bem, pode ser hoje um mal e o que amanhã ainda é um bem, - porque tu estás a subir ao longo do eixo - poderá passar a ser um mal. O poder de forças acumulado por todo esse trajecto anterior, ganha uma espécie de carga hipnótica, é o efeito medusa, então, dá-se aqui um jogo de atracções. Todo o teu passado tem uma força hipnótica, todo o teu futuro tem uma força magnética e tu és um anel de consciência, entre um chamamento hipnótico e um chamamento magnético.

O chamamento hipnótico é centrípeto e conduz à inconsciência. O chamamento magnético é vivo, centrífugo e expande o anel da consciência até que o raio desse anel seja igual e infinito.

Aquilo que as pessoas gostam de chamar "o mal", é tudo o que ficou para trás e que é feito conscientemente e tu sabes que já não é o próximo passo, nem o futuro.

Então, esta palavra diabo, em termos de palavra, não tem muito interesse.

A Idade Média foi toda ela um enorme esquema de controle e para isso, era preciso criar uma lógica muito rígida entre bem e mal, mas também a consciência da humanidade não era suficientemente potente para contrariar esse controle. O mal era obviamente um dos instrumentos de controle do mal, o próprio discurso do mal era um instrumento que o mal utilizava para controlar a humanidade.

Nós só estávamos tentando exorcisar esta palavra, decompondo-a numa carga etimológica que é grega, e não tem nada de especial e libertar-nos dessas representações todas, antigas, que são a utilização de um símbolo pagão ligado à fertilidade, à vitalidade, à natureza e à música, numa tentativa de associá-lo ao mal no sentido menor.

Há um nível iniciático nesta questão, mas esse nível é ainda cedo para nós abordarmos. Ele tem a ver, obviamente, com certas presenças na Terra, que não são exactamente a Heidi.

P: A evolução é só uma em termos ascendentes, ou poderá ser também descendente?

R: Isso tem a ver com a adaptação dos corpos a uma vibração mais alta. A nossa personalidade não pode manter essa vibração mais alta durante muito tempo, excepto quando transmutações muito profundas acontecem na personalidade, que é aquilo a que se chama a 3ª iniciação - quando um ser está o tempo todo na vibração mais alta que o seu ser interno já pode experimentar.

Existe a lei da superação de forças que é: tu contactas uma potência mais alta, assimilas essa potência, há um período de exaltação, e depois há um período de resposta da personalidade e essa resposta é aquilo que ela consegue transformar em função da energia-luz alcançada, depois, ela tem que retroceder, mas já não para o ponto em que estava, só ligeiramente para trás, e então sim, a evolução é um binário, portanto, não é um anel de consciência que se desloque ao longo de um eixo indefinidamente, há períodos de retrocesso e ascensão, mas o retrocesso é sempre menor e a ascensão é sempre maior. Tanto que, quando uma energia mais alta contacta a personalidade, inclusive se for uma energia demasiado alta para aquela que a personalidade pode contactar - é preciso ter muita atenção à super exposição de um ser a uma energia demasiado alta - a personalidade pode ter uma reacção e trava-se durante um tempo uma autêntica batalha dentro dos corpos dum discípulo, batalha que, quando nós falamos em desapego, começa a ficar claro como lidar com essa batalha, tu desapegas-te até da própria batalha, porque não és tu que estás a travar a batalha, é a luz que desce e são os elementos presentes em ti, toda a hereditariedade, toda a carga cármica, genética, então, eu fico tranquilamente observando a batalha. Isto é uma expressão bastante estranha!

P: Qual o impacto da colonagem no reino oculto e espiritual?

R: A programação da vida na Terra, no Cosmos, está sob a regência de seres chamados "os jardineiros do espaço" ou "os portadores de vida". São entidades acima da Hierarquia extraterrestre. São entidades de nível celeste central que não têm a ver com o circuito evolutivo dos seres humanos. São entidades emanadas pelas potências geradoras do mundo dos arquétipos, elas não são criadas, vêm a ser por um outro processo que não o da criação, e têm acesso aos mistérios do Divino, sempre. Estes jardineiros do espaço são os portadores de vida. São as únicas entidades designadas pelo grande plano universal, com autoridade para transferir vida, para projectar sistemas de vida, para projectar veículos nos quais mónadas poderão ancorar.

Estes seres não pertencem à dimensão evolutiva do Cosmos, mas a uma outra dimensão. São seres imensos em amor e compaixão, porque eles são emanações directas da trindade. Existem para funções específicas da trindade e super visionam a qualidade das estruturas biológicas e as organizações vivas que depois permitem a descida do fogo divino, neste caso, o ser humano.

O Universo é construído como uma esfera hermética na qual cada função e cada ser é nobre, total e assignado com um destino superior. Desde um caracol a uma borboleta, tudo o que existe e é vivo, é igualmente amado pelo Divino. Ele não ama mais Buda do que uma borboleta. Significa que a potência inclusiva que se desprende do divino para toda a criação, é não selectiva. Nós somos amados por Deus da mesma forma e com a mesma potência que o Arcanjo Gabriel ou que uma entidade supra universal que Ele criou para os seus próprios fins, nem mais, nem menos, por isso se chama Deus.

O amor, a vontade e o plano de Deus formam um todo hermético, cada peça está perfeitamente integrada nas outras todas, não existem prioridades em termos absolutos, tudo é igualmente amado e infinitamente importante.

É mais sublime um sapateiro que está concentrado na forma como termina de cozer o sapato e que tenta fazer aquilo bem, por amor ao seu próprio trabalho, está mais próximo do mistério do amor de Deus, do que um arcanjo que teoricamente não cumprisse as suas funções. Os pesos e as medidas de Deus são infinitamente mais leves, mais profundos e mais abrangentes do que os nossos pesos e medidas. Neste contexto, a clonagem implica uma séria intervenção na área de acção dos jardineiros do espaço, então se for uma clonagem de seres humanos, nem se fala! Isso entra num nível de gravidade cósmica muito, muito alta. Nós estamos utilizando organização de vida ADN para fazermos a vida que nós entendemos, quando entendemos, e na quantidade que entendemos.

Se com a nossa energia sexual nós já conseguimos esta magnífica explosão demográfica - a sexualidade é uma forma de manter a energia alta - imagina se entramos no descontrole da clonagem! A clonagem é a mente humana regida pelas suas próprias forças, a entrar directa na regência central da célula, a dizer: "não, quem manda aqui somos nós, já não é o Divino". E o mais estranho é que o Divino permite, porque o Divino dá espaço a que os seus filhos façam todas as experiências, até que lhes comecem a nascer orelhas na testa e que percebam que não é por aí. A porta está aberta para a clonagem, mas isso cria um caos a nível da hermeticidade da esfera da Terra, GRAVE. Isso mexe com o "anel não passa", isto é, com a fronteira esotérica da Terra, coloca a Terra em ressonância com zonas infra-cósmicas e conduz directamente ao mal cósmico. Existem sistemas inteiros que se foram deteriorando e foram formando cadáveres psíquicos de atitude sideral, que são como sistemas solares inteiros em decomposição.

O fenómeno do aborto é muito menos grave, tem contextos sócio culturais e comportamentais que estão num outro nível da intervenção, é óbvio que o fenómeno do aborto é toda outra aventura para fora da ligação com o Divino, mas é uma aventura que tem uma curva muito mais rápida de reincersão, enquanto que a manipulação genética não.

Em alguns pontos estão a preparar-se para fazer manipulação genética a sério, mas não é uma coisa dos seres humanos, são OUTROS que estão a fazer isso, através dos seres humanos.

P: Clonagem vegetal. Produtos trangénicos.

R: A manipulação genética inclui um acto, esse acto é composto por uma vontade, essa vontade revela uma qualidade interior, a qualidade interior é plasmada no

 éter, a vida das células depende do éter. Se um acto de geração de produtos trangénicos e clonagem de vegetais é feito tendo em mente o lucro, como são todos, isso fica impresso na vibração celular e todos aqueles alimentos que têm uma vibração material densa, retro cósmica muito alta, isto é, grãos, cenouras, soja trangénicas, isso foi feito com uma intenção e esse acto fica impregnado na substância celular, o éter fotografa a nossa intenção, ele é uma imensa película fotográfica à escala planetária que fotografa a tua qualidade, a tua intenção, a tua vibração, mais nada.

Clonar um órgão para ajudar alguém, no plano ético da consciência humana não é tão grave, porque o ser humano está convencido que está a ajudar alguém, mas a nivel do oculto e do espiritual, continua igualzinho a produzir as mesmas fendas no vaso da evolução colectiva que é este planeta, porque são actos que são feitos sem uma interiorização profunda.

Quando se vê um ser desencarnar, as pessoas pensam que podem continuar com esta medicina de cadáver que consiste em tirar e pôr órgãos, toda a nossa medicina é uma medicina de cadáver, o ser humano é visto como um corpo com um conjunto de funções, e não como um todo bioquímico, eléctrico, vibratório, etc., é a diferença entre o paradigma da medicina clássica (físico e químico) e o paradigma das novas medicinas que estão a surgir (eléctricos, electrolíticos, neurológicos, vibratórios, radiantes, etéricos, etc.)

Por André Louro de Almeida         08/03/1999

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites