Amhaj

Para que possais trilhar a senda luminosa é preciso responder ao Chamado. Isso significa vencerdes provas, nas quais terão confirmado o vosso elo com a verdade e com a luz. Todos os seres, um dia, penetram essa senda e alcançam a Morada Celestial. Porém, eons se passam até que o ciclo se consume. Não vos intimideis frente ao mal. Não desafieis o inimigo. Não retardeis vosso caminhar pelo clamor do passado. A poeira dos tempos será lavada do vosso ser; novas vestes trajareis, e grande será o júbilo da libertação. Porém, nessa senda pisareis sobre rosas e espinhos, e devereis aprender o mistério do Bem. É tempo de justiça. É tempo de graças. Magnífico poder, o Irmão Maior se aproxima. Silenciai vosso coração e acolhei o grande amor. Tendes a Nossa paz.

Hierarquia

sábado, 28 de janeiro de 2012

Começa o Fim(Energia Nuclear)

Sabe-se que, em 1954, o então presidente dos Estados Unidos, Dwight D. Eisenhower, encontrou-se com seres extraterrestres na Edwards Air Force Base, California. Alguns de seus auxiliares também participaram desse encontro e Lord Clancarty, que na época liderava a Câmara dos Lordes, refere-se ao fato chegando a recolher uma série de dados fornecidos por um piloto que, segundo ele, teria estado presente a reunião.

Conforme o que é narrado, cinco espaçonaves extraterrestres teriam aterrisado na pista da base e seus ocupantes se comunicaram abertamente com Eisenhower. Após algumas demonstrações ao presidente da capacidade que tinham de se materializar e desmaterializar, apresentaram-lhe uma avançada tecnologia que poderia ser empregada na Terra para fins pacíficos e que era de ação não-poluente.Diante dessa demonstração dos extraterrestres o presidente teria declarado a eles que a humanidade da Terra não estava pronta para saber da presença, aqui dos seres do espaço; e que as populações ficariam inseguras e entrariam em pânico se essa realidade lhe fosse confirmada oficialmente.

                                                                             *
                                                                            * *

Os homens vêm manipulando a energia nuclear e em grande parte o fazem para angariar prestígio. Lidar com energia nuclear é também, para os governos políticos, uma forma de demonstrarem poder sobre países menos desenvolvidos, mantendo-os assim submissos.

Fred Alan Wolf, Ph. D. Especialista em física aplicada e teórica, professor de física em San Diego State University, declara em seu livro Espaço, Tempo e Além que ‘’embora os físicos saibam muito sobre energia, eles não sabem o que ela realmente é’’. Wolf pode dizer isso pelo profundo conhecimento que tem da situação atual das pesquisas feitas nessa área. Ocupa posições de consultoria junto a governos e indústrias, presta serviços na área de informática, é autor de livros científicos, e professor visitante no Hahn- Meitner Institut de Berlim, na Universidade Hebraica de Jerusalém e no Birbeck College da Universidade de Londres. Por não saber o que a energia realmente é, como diz Wolf, os suecos perceberam o perigo que sua manipulação representa. Decidiram então, por referendum público, que os doze reatores nucleares do páis parassem de funcionar até o ano 2000. Mas será que chegaremos a essa data sem que nada aconteça?

No estágio atual da humanidade terrestre a energia nuclear representa perigo mortal, mesmo que seja empregada para ‘’fins pacíficos’’, o que na verdade vem sendo apenas um pretexto para possibilitar a fabricação do maior arsenal mortífero que a Terra jamais conheceu. Será o homem o único responsável por esse estado de caos, ou estará ele sob controle de forças destrutivas, sendo delas mero instrumento? Essa é uma pergunta a ser endereçada aos nossos próprios níveis intuitivos.

Apesar de inegavelmente já conhecerem alguns dos aspectos da energia nuclear, mesmo assim os homens continuam lidando com ela. Há porém aspectos que eles ignoram por não estarem ainda despertos para a realidade de dimensões mais sutis que a mental. Ainda que existam outras formas de utilizar a energia do universo, o próprio homem as recusou quando preferiu o desenvolvimento puramente econômico. Se continuar com a atual manipulação de forças que se ocultam na matéria densa, desconhecendo-as, é possível que cataclismas naturais sejam antecipados. Como dissemos, a Terra não é um corpo estável no espaço, podendo chegar a perder seu equilíbrio. Sabe-se que de tempos em tempos há variações no padrão de sua rotação e mudanças na inclinação do seu eixo, e quando surgem influências externas especiais, essas modificações podem até acontecer de uma forma mais drástica.

John White cita alguns fatores que podem contribuir para que o eixo da Terra mude sua inclinação. Entre os naturais e inerentes à própria evolução ele enfoca: o alinhamento da Terra com planetas ou estrelas que exerçam sobre ele grande atração; a passagem de outros corpos celestes junto dela, que produza esse mesmo efeito; impactos físicos com outros corpos; mudança na radiação que ela recebe do Sol; derretimento do gelo dos seus pólos; mudanças em sua superfície físicas com deslocamentos consideráveis de terra: desaparecimento de núcleos magnéticos e surgimento de outros em novos locais; terremotos ou erupções vulcânicas muito violentas.

Entre os fatores acarretados pelo homem, White enumera: poluição atmosférica; extrações, perfurações e represamentos; testes nucleares; guerras nucleares; formas-pensamento; intervenção de formas de vida mais elevadas. A propósito da ação das formas-pensamento, diz H.P. Blavatsky: ‘’Os Pensamentos e os motivos são matérias-primas, e às vezes, de maneira incrível, uma força material.’’

                                                                             *
                                                                            * *

Grandes cataclismas que, ocorridos em tempos remotos, deixaram seus sinais podem até certo ponto, ser considerados ‘’naturais’’,embora, como no caso da Atlântida e da Lemúria, o homem tenha contribuído para que a violência dos acontecimentos fosse maior. Sempre houve duas correntes apostas de pensamento a respeito de um eventual próximo cataclisma. Uma tende a confirmá-lo, alertando a todos para que se preparem; a outra declara que as profecias servem para mudar nossas atitudes desarmoniosas, as quais, uma vez removidas ou transformadas, afastariam a necessidade de uma hecatombe.

Seria fácil optar por uma ou outra dessas correntes, quando elas inevitavelmente surge. Entretanto, parece-nos que sábia seria uma atitude de observação, para intuirmos quais serão os rumos finais dos acontecimentos. Diferença entre prognósticos tem sua origem em níveis bem mais profundos do que podemos imaginar. É que alguns pontos de vista focalizam dimensões da realidade onde certos fatos estão acontecendo visivelmente, ao passo que outros pontos de vista detêm-se em outros níveis da realidade, mais sutis, nos quais fatos opostos àqueles primeiros também estão ocorrendo.

Além disso, o que é real e verdadeiro para certos graus de consciência pode não ser para outros, e o que interessa a um ambiente cultural pode nada representar para outro. O primeiro ponto de vista pode ter a função de promover uma mudança drástica na mentalidade do homem, usando para isso energias destruidoras; já o segundo pode ter a tarefa de estimular a construção do mundo novo. É útil que ambos convivam, às vezes na mesma época, não só para o equilíbrio psicológico dos homens, mas também para haver ações simultâneas em diferentes sentidos. Aparentemente, tal convivência pode constituir uma dispersão.

Todavia , num mundo variado como o nosso, um equilíbrio maior pode ser obtido ao completarmos uma tendência com o ponto de vista de outra. Assim o pensamento e a ação da humanidade como um todo poderão ficar no ‘’caminho do meio’’, o que estaria em concordância com as mais antigas instruções que ela recebeu do cosmos, e que foram muito difundidas no passado inclusive pela filosofia budista.

                                                                              *
                                                                             * *

Como vimos, tem acontecido de a humanidade ser um dos fatores que provocam cataclismas. Muitas vezes estes podem ser uma forma de a natureza terrestre responder às agressões que lhe fazemos. Por outro lado, é impossível prever o que poderia ocorrer se um cataclisma advindo da inclinação do eixo terrestre (que está se deslocando gradualmente) somar-se a uma guerra nuclear, ainda que esta não envolva o mundo inteiro. Também não se pode prever como as forças magnéticas do interior da Terra reagirão à vibração do lixo atômico enterrado ou atirado nos oceanos, e os movimentos que o Ser Planetário poderá acionar para deslocar grandes massas na crosta terrestre ou em áreas mais profundas. O fato de o lixo atômico ser colocado em recipientes hermeticamente fechados não impede que o etérico e o astral desse lixo ultrapassem os limites dos recipientes e ajam através das águas, da terra ou do ar. As emanações atéricas e astrais não podem ser detidas pela tecnologia terrestre atual.


Certos fatores, ao que parece, estão somando-se para nos levar a uma violenta experiência. O urânio, por exemplo, é um mineral extraído do solo que, depois de moído e refinado, é usado para gerar energia por meio de reatores. A partir do momento da extração do urânio é liberado um gás radioativo, o radônio, que aproximadamente após quatro dias transforma-se em vários outros elementos, até chegar a um elemento estável, o Chumbo Pb 206. Assim, ao inalar-se a mistura gasosa decorrente do urânio, também se inalará o chumbo, que, por ser um metal pesado altamente nocivo ao ser humano, permanecerá no corpo do indivíduo por toda a vida. Hoje em dia toneladas de resíduos de urânio são amontoados ao ar livre, e o gás radônio, emitido por eles, é um agente permanente de contaminação da atmosfera. Por esse motivo já se constatou que 20% dos mineiros que trabalham com urânio morre de câncer no pulmão.

Tratado quimicamente com ácido sulfúrico, o urânio se transforma em combustível para reatores nucleares. Quando esse material é transportado das minas para as usinas libera pó, que durante o trajeto contamina o ambiente. Além disso, os dejetos tóxicos dessas usinas normalmente são despejados nas águas mais próximas, como aconteceu na Argentina, no lago São Roque.

O mais perigoso dos materiais das usinas nucleares fixa-se nas barras do urânio queimado durante o processo, e que são refugo dos reatores. Essas barras, contaminadas com Estrôncio 90, o Iodo 131 e o Césio 137, são guardadas em grandes tanques de água perto das centrais nucleares. Obviamente, essa água com o tempo torna-se contaminada e deve ser renovada; é despejada então sobre a terra, onde pode penetrar e atingir lençóis subterrâneos, chegando assim aos rios.

Dizem os pesquizadores que cada reator produz aproximadamente uma barra de resíduo contaminante por dia, medindo cada barra de 2 a 4 metros de comprimento e uns poucos centímetros de diâmetro. Sabendo-se que cada barra fica por volta de três anos em funcionamento no reator, quantas dessas barras radioativas são produzidas pelas quase quatrocentas usinas nucleares em operação no planeta?

Quando esses resíduos são levados para longe em caminhões (porque a certa altura devem ser retirados dos tanques superlotados), vão liberando radioatividade por onde passam e, ainda que depositados, continuam contendo grande potencial mortífero. O que aconteceria se houvesse um movimento sísmico nos arredores, ou no locam onde se encontram acumulados? Tendo o urânio uma vida ativa de milhões de anos, quantas gerações vindouras estarão sob esta ameaça?

Entretanto, uma das fases mais contaminantes do processo de obtenção da energia nuclear é a separação do plutônio das barras de urânio. A dose de plutônio aceitável pelo organismo humano é menos de um milésimo de grama. Calculou-se que meio quilo de plutônio distribuído por todo o planeta bastaria para matar todos os seus habitantes.

Segundo alguns estudos científicos, a vida ativa do plutônio, que é cancerígeno, é da ordem de 25 mil anos; metade da carga desse material terá decaído nesse período de tempo, mas a outra metade continuará agindo por milhares de anos. O que acontecerá com toda essa massa de plutônio que vem sendo produzida no mundo? Até agora oito países têm a bomba nuclear, onze podem construí-la em poucas semanas, e cerca de trinta se preparam para tê-la; isso sem considerar aqueles que a ambicionam.

As partículas que eventualmente foram liberadas por vazamentos numa instalação nuclear, ou pela rotineira extração do urânio do solo, podem afetar o organismo humano de diversas maneiras. Uma delas é a mutação genética, isto é, a alteração da estrutura dos genes que controlam a divisão das células. Com esses genes alterados, elas podem reproduzir-se descontroladamente ocasionando vários tipos de câncer. Em decorrência disso, os fetos humanos podem ficar deformados, como no caso de Hiroshima e de Nagasáki, no Japão, onde se fizeram as primeiras explosões atômicas.

Nunca a saúde pública esteve em perigo tão grande. Nunca a vida sobre o planeta esteve tão ameaçada.

O que ocorrerá se houver falha num reator? Ainda hoje, poucos anos após o incidente de Chernobyl, num perímetro de 2 600 quilômetros em volta do reator, o gado não pode ser alimentado com colheitas da região; as verduras, o leite fresco e os outros produtos locais também não podem ser consumidos. Quanto às crianças da região, não devem permanecer muito tempo ao ar livre, por conselho médico.

Além daquelas que morreram imediatamente após o vazamento citado, setecentas outras pessoas ficaram enfermas devido à radiação.Centenas de sobreviventes continuam sofrendo até hoje e muitos outros, contaminados, estão condenados a morrer lentamente.

Chegou ao nosso conhecimento que uma das grandes potências nucleares do mundo tem cerca de 25% dos seus reatores desativados pelo fato de estes não apresentarem condições de segurança aceitáveis. Estaria esse material comprometido sendo vendido aos países menos desenvolvidos, ansiosos por terem usinas nucleares?

                                                                              *
                                                                             * *

O homem pensa, em sua imaginação humana, que toda a matéria que compõe a Terra existe apenas para que ele usufrua de seus benefícios. Acontece que isso está aí em função de um equilíbrio geral e do próprio desenvolvimento do planeta como um todo, e não para uso indiscriminado de quem quer que seja.

                                                                             *
                                                                            * *

Outros dados, conhecidos oficialmente, podem ilustrar melhor a situação em que nos encontramos hoje. Dois terços dos adolescentes da Suécia, e quatro quintos dos da União Soviética expressaram a convicção de que ‘’destino da humanidade nos próximos anos seria a exterminação nuclear’’. Segundo a mesma pesquisa, de 30 a 50% dos adolescentes dos países altamente industrializados crêem que assistirão à guerra nuclear.

Já nos Estados Unidos, 49% dos jovens entre 13 e 18 anos declararam que estão projetando o próprio futuro baseados na possibilidade dessa guerra acontecer. Alguns manifestaram que temem sobreviver, porque o mundo ficará devastado e eles não querem assistir a isso. Eis o que disse um menino de oito anos, durante uma pesquisa: ‘’Quando eu crescer vou construir um foguete e depois uma estação espacial satélite; ali vou ter árvores, rios e um mundo diferente.’’

Como se vê, nas condições atuais a Terra física deixou de ser um campo propício para a encarnação de almas que devem vir aqui para a aprender e fazer experiências positivas. O homem já liberou energia nuclear em excesso desde que fez explodir o seu primeiro dispositivo atômico. Ao lançar foguetes e satélites no espaço, acionados por métodos considerados primitivos em comparação aos usados pelos mundos mais adiantados (que não comprometem a integridade do espaço), o homem está destruindo em equilíbrio delicado, e interferindo em reinos da matéria tanto físicos como etéricos, que ainda desconhece.Estão sendo quebradas, com suas experiência espaciais, freqüências vibratórias que poderão tornar-se perigosas quando estiverem mais desequilibradas.

Atualmente, a interferência do homem na harmonia universal é maior do que as leis cósmicas podem aceitar; começa a ser uma ameaça ainda mais forte na medida em que cresce sia capacidade de contaminar, desenvolvendo a possibilidade de atingir também o espaço extraterrestre. O processo de purificação da Terra tornou-se, por isso, assunto da Galáxia inteira.

Extraído do Livro Erks - Mundo Interno de Trigueirinho - Págs, 15-26

Download deste livro:  http://www.4shared.com/office/6nXOMsBB/1989-ERKS__Mundo_Interno.html?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares

Sites